Como Ricardo Oliveira foi de artilheiro e ídolo a descartável no Atlético-MG

Goal.com

O Atlético-MG convocou alguns de seus jogadores para a realização de exames de testagem para Covid-19, na próxima segunda-feira (11). Os nomes ausentes na lista são os que não fazem parte dos planos de Jorge Sampaoli para o resto da temporada do Galo: Lucas Hernandéz, Ramón Martínez, Edinho, José Welison e Ricardo Oliveira.

O último nome é o que mais chama a atenção. Veterano - com 40 anos completados no último dia 6, e comemorados pelo Galo -, Ricardo Oliveira chegou ao time mineiro em 2017, para reforçar a equipe na temporada de 2018. No período em que esteve no Galo, o pastor passou por altos e baixos, com artilharias, boas atuações, algumas lesões e críticas vindas da torcida atleticana.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Logo em sua temporada de estreia no Atlético, Ricardo Oliveira foi artilheiro do Campeonato Mineiro e um dos principais nomes do time, com 22 gols marcados em 56 partidas. Com os números do ano anterior, o atacante chegou como principal esperança atleticana para 2019. O início foi avassalador, mas na sequência acabou decepcionando. Passou por um período de seca de gols, teve sua posição de titular ameaçada e, principalmente, sofreu com a críticas da torcida.

Enquanto isso, Jorge Sampaoli, então técnico do Santos, procurava um centroavante para compor sua equipe no alvinegro, e via Ricardo Oliveira como um bom nome, pedindo e insistindo por sua contratação. O clube paulista chegou a admitir a possibilidade de levar o atacante de volta à Vila Belmiro, para vestir novamente a camisa com qual brilhou entre 2015 e 2017, mas o jogador acabou ficando no Galo.

Ricardo Oliveira Santos São Paulo Copa do Brasil 28102015
Ricardo Oliveira Santos São Paulo Copa do Brasil 28102015
Foto: Ivan Storti/Santos FC/Divulgação

Contratado pelo Atlético para 2020, Sampaoli finalmente poderia trabalhar com o atacante que tanto quis no ano anterior. Porém, com apenas um jogo de parceria entre os dois, o treinador resolveu montar seus planos para a volta do Galo após a pandemia de coronavírus sem o camisa 9. Assim, com 110 jogos, 37 gols, uma artilharia de Mineirão, nenhum título e a decepção da torcida, Ricardo Oliveira deixa o Atlético-MG depois de duas temporadas e o início de outra. 

Leia também