Como nome de Neymar foi envolvido em fraude no auxílio emergencial de R$ 600

Goal.com

Os dados de Neymar, como revelou o Uol Esporte nesta qinta-feira (4), foram usados para a solicitação do auxílio emergencial de R$ 600, benefício oferecido pela Caixa Econômica Federal aos trabalhadores informais durante a pandemia do coronavírus Covid-19.

O jogador teve seus dados pessoais roubados e usados para fraudar o sistema e registro para a obtenção do benefício de cunho emergencial no site da Caixa. Para o cadastro são necessárias algumas informações do solicitante para que ele possa ter o pedido aprovado e pago. Foram usados, além do número do CPF e de outros documentos de Neymar, a data de nascimento do jogador e nomes de seus familiares no cadastro.

Assim, com todos os dados válidos, a solicitação chegou a ser aprovada e entrar no cronograma de pagamentos. No entanto, por indícios de desconformidades nos requisitos previstos na lei 13.982/2020, o pedido foi congelado e voltou para o status de avaliação no site do programa. O local de residência, além da renda mensal do atleta não se encaixam com as normas para a obtenção do auxílio

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio
Auxílio Emergencial Neymar
Auxílio Emergencial Neymar
Foto: Reprdução

O estafe do jogador do PSG e da seleção brasileira negou que o pedido tenha sido feito por ele, e disse só ter tomado conhecimento do caso ao ser contatado pela equipe do Uol, além de afirmar desconhecer quem possa ter feito. Esta foi a segunda polêmica em que Neymar se envolveu nesta semana, depois de ser criticado por demorar a se posicionar na onde de protestos contra o racismo.

Já a Caixa Econômica Federal alegou que as análises de concessão dos pedidos do benefício de R$ 600 são feitas Ministério da Cidadania e pela Dataprev. Em nota, o Ministério da Cidadania afirmou que vem trabalhando diuturnamente para a evolução do benefício e, em conjunto com outros órgão para evitar fraudes. Mas que, casos como estes estão sendo investigados e são passíveis de penalidades, uma vez que são ilegais.

As fraudes usando dados de pessoas conhecidas têm sido comuns desde o início do programa, além de Neymar, o filho do jornalista William Bonner e o empresário Luciano Hang também foram cadastrados para o recebimento do valor. 

Leia também