Como Medina, Kelvin se irritou por veto à esposa nas Olimpíadas e brigou com confederação

·2 minuto de leitura
Kelvin Hoefler ganhando primeira medalha do Brasil (prata) nas Olimpíadas. Evento skate Street, masculino nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 realizados em 2021, na cidade de Tóquio, Japão. (Foto: Richard Callis /Fotoarena/Folhapress)

TÓQUIO, JAPÃO (FOLHAPRESS) - Primeiro medalhista olímpico do Brasil em Tóquio, Kelvin Hoefler entrou em atrito com a CBSk (Confederação Brasileira de Skate) há cerca de um mês, às vésperas da viagem ao Japão.

O motivo da irritação do atleta foi o veto ao credenciamento de sua mulher, a fotógrafa Ana Paula Negrão, para os Jogos. Mesma situação que aconteceu com o surfista Gabriel Medina e sua esposa, Yasmin Brunet.

Kelvin não se conformou com o fato de não poder levá-la e insistiu com os pedidos, que não foram atendidos. Diante da frustração, ele cortou relações com dirigentes da entidade e bloqueou a conta da confederação nas redes sociais.

Logo depois da medalha de prata na tarde deste domingo (25, madrugada no Brasil), a CBSk tentou, mas não conseguiu marcar a conta do skatista para parabenizá-lo. Horas mais tarde, ele desbloqueou o perfil da entidade.

Os apelos de Kelvin para conseguir que Ana Paula fosse liberada para acompanhá-lo na viagem incluíram até um pedido para que o governo japonês fosse acionado, mas isso não era possível.

Devido à pandemia da Covid-19, o número de credenciais liberadas para o evento foi menor do que em outras edições. No caso do skate, a decisão da confederação foi de levar a comissão técnica da entidade. Nenhum atleta foi acompanhado por treinador ou estafe particular, com exceção de Rayssa Leal, que tem 13 anos e está acompanhada pela mãe.

Kelvin confirmou à reportagem que ficou insatisfeito com a situação e fez comparações com a situação de Medina. Porém, feliz pela conquista, tratou a questão como superada.

"Minha esposa é minha técnica. A gente sente falta de um técnico e eu senti falta. Isso é fato. Mas ganhei medalha, estou no lucro. Já apagou. A gente [skatistas] nunca esteve aqui [nas Olimpíadas], então esse momento é único e só quero curtir", disse.

"Divergência a gente tem, todo mundo tem, mas está tranquilo, eu faço meu corre e estou torcendo para todo mundo, CBSk, Leticia [Bufoni] também. Independentemente de qualquer coisa, é o Brasil", completou.

Nas redes sociais, a skatista brasileira Leticia Bufoni explicou por que inicialmente não fez referência à conquista da prata de Kelvin Hoefler. "O Kelvin, pelo que vocês perceberam, nunca está com a gente nos rolês. Nunca faz parte das nossas atividades. Por uma opção dele, ninguém aqui tem nada contra ele, muito pelo contrário. Está todo mundo aqui comemorando, muito feliz que o Brasil ganhou uma medalha, a primeira [do país]", começou

"Respeito muito a história dele, o moleque anda muito de skate, não tem nem o que falar, mas infelizmente ele não gosta de estar com a gente. Um exemplo grande, a CBSk, a confederação brasileira de skate, não pode nem marcar ele nos stories, porque ele bloqueou", continuou.

Nas redes sociais, a confederação afirmou que a medalha do atleta foi um marco que sempre estará guardado na memória do skate mundial.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos