Como Lucas di Grassi quase conseguiu uma chance na F1 em 2009

Matt Kew
motorsport.com

Para aqueles que acreditam em universos paralelos, existe uma realidade alternativa em que Lucas di Grassi poderia ter vencido várias corridas e ajudado a Brawn GP a conquistar o campeonato de construtores de Fórmula 1 de 2009.

Em outra versão dos eventos, ele poderia ter se juntado ao bicampeão mundial Fernando Alonso, na Renault.

Lucas Di Grassi Test Driver, Honda Racing F1 Team

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio
Lucas Di Grassi Test Driver, Honda Racing F1 Team <span class="copyright">Edd Hartley / Motorsport Images</span>
Lucas Di Grassi Test Driver, Honda Racing F1 Team Edd Hartley / Motorsport Images

Edd Hartley / Motorsport Images

Então, em novembro, o vencedor do GP de Macau de 2005 correu em Barcelona com o Honda RA108 - lutando ao lado de Bruno Senna para impressionar Ross Brawn por uma vaga em potencial ao lado de Jenson Button.

"No final de 2008, fiz um bom teste para a Renault", lembrou di Grassi. "Mas houve o escândalo em Singapura. Essa foi uma das razões pelas quais eles mantiveram Piquet durante o ano seguinte, então eu não tinha como correr."

"Fiz um teste com a Honda, que entrou em colapso algumas semanas depois e voltou como Brawn GP. Eles contrataram Barrichello e Button. Houve a possibilidade de ter o assento da Renault em 2009 ou - imagine, melhor ainda - o da Brawn."

Graças à escolha de Barrichello e da Renault optando por Romain Grosjean, quando Piquet saiu, di Grassi teria que esperar por sua janela de oportunidade na F1.

Isso veio em grande estilo. Timo Glock, que venceu di Grassi na GP2 em 2007 – era seu companheiro de equipe na Virgin Racing. O tanque de combustível do carro era famoso por não conseguir terminar uma corrida na F1 quando foi introduzido pela primeira vez, mas o brasileiro finalizar uma prova pela primeira vez, com o 14º lugar, na terceira corrida da temporada 2010 na Malásia.

Após sua única temporada na F1, e, depois de um período como piloto de testes da Pirelli, di Grassi abandonou os monopostos tradicionais para se juntar à LMP1 do Campeonato Mundial de Endurance da FIA (WEC) pela Audi em 2012.

"Começar a F1 com um carro vencedor de corrida seria uma façanha incrível", acrescentou di Grassi. "Mas é a vida. Às vezes você tem sorte, às vezes você tem azar.”

Desde então, ele se estabeleceu como o embaixador mais ativo na Fórmula E, tendo desenvolvido o carro da primeira temporada, conquistou o título da temporada 2016-2017. Talvez seja por isso que as temporadas perdidas no grid da F1 não sejam tão ruins.

"No final, guiei sete ou oito carros diferentes da F1, tive um ano maravilhoso [em 2010] com um carro muito ruim. Foi muito difícil, muito frustrante, mas tive minha experiência.”

"Na F1, se você perder a ocasião certa, é muito difícil voltar. Por exemplo, a única razão pela qual perdi meu tempo de 2008 e 2009 para ingressar na F1 foi por motivos externos: uma equipe entrou em colapso e a outra já havia assinado um contrato com outro piloto. Foi difícil, mentalmente difícil em 2009."

Com sua esperada estreia na F1 em espera, di Grassi estendeu sua participação na GP2 até 2009, onde terminaria novamente a temporada em terceiro, atrás do campeão Nico Hulkenberg e do futuro piloto da Renault/Lotus e Caterham, Vitaly Petrov.

"Fui contratado pela Racing Engineering [na GP2], e fiquei muito feliz por terem me dado aquele lugar", disse di Grassi. "Eu corri naquele ano de graça. A partir daí, consegui meu lugar na Virgin. Isso levou a um teste da Audi um ano depois, e então entrei nas corridas de endurance e na LMP1, e a história continuou."

"A questão é que, se você mantiver a cabeça erguida, confie em si mesmo e continue trabalhando duro, em algum momento, a sorte virá", afirmou di Grassi. "O problema é que as pessoas podem ficar muito deprimidas. Há um evento infeliz e eles nunca se recuperam.”

"Eu acho que você tem que continuar lutando. Essa é a única escolha."

Relembre as vitórias de Lucas di Grassi na Fórmula E

Pequim, 14-15

Pequim, 14-15 <span class="copyright">FIA Formula E</span>
Pequim, 14-15 FIA Formula E

FIA Formula E

Putrajaya, 15-16

Putrajaya, 15-16 <span class="copyright">Jun Qian</span>
Putrajaya, 15-16 Jun Qian

Jun Qian

Long Beach, 15-16

Long Beach, 15-16 <span class="copyright">James Holland</span>
Long Beach, 15-16 James Holland

James Holland

Paris, 15-16

Paris, 15-16 <span class="copyright">Adrien Clement</span>
Paris, 15-16 Adrien Clement

Adrien Clement

México, 16-17

México, 16-17
México, 16-17

Montreal, 16-17

Montreal, 16-17 <span class="copyright">Sam Bloxham / Motorsport Images</span>
Montreal, 16-17 Sam Bloxham / Motorsport Images

Sam Bloxham / Motorsport Images

Zurique, 17-18

Zurique, 17-18 <span class="copyright">Andrew Ferraro / Motorsport Images</span>
Zurique, 17-18 Andrew Ferraro / Motorsport Images

Andrew Ferraro / Motorsport Images

Nova York, 17-18

Nova York, 17-18 <span class="copyright">Alastair Staley / Motorsport Images</span>
Nova York, 17-18 Alastair Staley / Motorsport Images

Alastair Staley / Motorsport Images

México, 18-19

México, 18-19 <span class="copyright">Sam Bloxham / Motorsport Images</span>
México, 18-19 Sam Bloxham / Motorsport Images

Sam Bloxham / Motorsport Images

Berlim, 18-19

Berlim, 18-19 <span class="copyright">Andrew Ferraro / Motorsport Images</span>
Berlim, 18-19 Andrew Ferraro / Motorsport Images

Andrew Ferraro / Motorsport Images

VÍDEO: Tarso Marques detalha negociação com a Ferrari e "chantagem" de Briatore na F1

PODCAST: A Williams tem salvação?

Your browser does not support the audio element.

Leia também