Como joga, retrospecto, pontos fortes e fracos: o que esperar do Santa Fe diante do Fluminense na Libertadores

Luca Garcia e Luiza Sá
·5 minuto de leitura


Depois de empatar com o adversário mais temido do Grupo D, o Fluminense terá outra pedreira pela frente na segunda rodada da Libertadores. Nesta quarta-feira, o Tricolor vai até a Colômbia para enfrentar o Independiente Santa Fe, de Bogotá, atual vice-campeão colombiano e indo para sua 13ª participação no torneio continental. A equipe foi semifinalista em 1961 e 2013 e, assim como o Flu, também teve uma igualdade de 1 a 1 no placar na estreia, diante do Junior Barranquilla, seu rival.

O Fluminense viveu a incerteza sobre as condições de jogo. A partida estava marcada para às 21h (de Brasília, 19h local) no Estádio Metropolitano de Techo. Para conter o avanço da Covid-19, o governo da capital colombiana anunciou algumas medidas vetando o local, que fica a 2.640m acima do nível do mar e era uma das armas dos donos da casa. Com isso, o confronto passou para a cidade de Armênia, no Estádio Centenario, em condições mais favoráveis, a 1.480 metros acima do nível do mar.

Veja a tabela da Libertadores

COMO CHEGA

Com nove títulos, o Independiente Santa Fe é o quinto maior vencedor do Campeonato Colombiano, com a última conquista em 2016. O único troféu internacional é a Copa Sul-Americana de 2015, em cima do Huracán (ARG). Em 2020, a equipe terminou como líder na primeira fase do torneio nacional, com 11 vitórias, sete empates e duas derrotas, tendo o segundo melhor ataque e a segunda defesa mais eficiente.

Já no mata-mata, passou pelo Deportivo Pasto (2 x 1 agregado), La Equidad nas semi (3 x 2 agregado), perdeu a final para o América de Cali (3 a 2 agregado). Na edição atual do Colombiano, ficou em segundo lugar no Apertura, apenas um ponto atrás do líder Atlético Nacional. Agora nas quartas de final, perdeu o jogo de ida diante do Junior Barranquilla por 3 a 1 no último domingo.

DESEMPENHOS NA LIBERTADORES

Das últimas seis participações do Santa Fe na Libertadores, a equipe ficou fora da fase de mata-mata em quatro delas. Três vezes foi o terceiro colocado, uma o lanterna, outra foi eliminado nas quartas e em 2013 caiu apenas na semifinal. Quando passou, foi líder de seu grupo. Os colombianos não participam da competição desde 2018.

2018 - Foi o terceiro lugar do Grupo D, que tinha River Plate e Flamengo, com sete pontos (uma vitórias, quatro empates e uma derrota).

2017 - Foi o terceiro lugar do Grupo B, com o Santos, com oito pontos (duas vitórias, dois empates e duas derrotas)

2016 - Foi o terceiro lugar no Grupo H, do Corinthians, com oito pontos (duas vitórias, dois empates e duas derrotas)

2015 - Passou em primeiro lugar do Grupo A, com Atlético MG, somando 14 pontos (quatro vitórias e dois empates). Depois, caiu para o Internacional nas quartas de final

2014 - Foi o lanterna do Grupo D, com Atlético MG, com apenas cinco pontos (uma vitória, dois empates e três derrotas)

2013 - Passou em primeiro lugar do Grupo G, com 14 pontos (quatro vitórias e dois empates), mas caiu na semifinal para o Olimpia

RETROSPECTO CONTRA BRASILEIROS

Os colombianos vem se reforçando como uma terceira força na Libertadores. Nos últimos 14 encontros com equipes brasileiras, o Santa Fe teve três vitórias, cinco empates e seis derrotas. Veja abaixo as partidas:

Fase de grupos 2018 - Santa Fé 0x0 Flamengo / Flamengo 1x1 Santa Fé

Fase de grupos 2017 - Santos 3x2 Santa Fé / Santa Fé 0x0 Santos

Fase de grupos 2016 - Corinthians 1x0 Santa Fé / Santa Fé 1x1 Corinthians

Fase de grupos 2015 - Santa Fé 0x1 Atlético MG / Atlético MG 2x0 Santa Fé

Quartas de final 2015 - Santa Fé 1x0 Internacional / Internacional 2x0 Santa Fé

Fase de grupos 2014 - Santa Fé 1x1 Atlético MG / Atlético MG 2x1 Santa Fé

Oitavas de final 2013 - Grêmio 2x1 Santa Fé / Santa Fé 1x0 Grêmio

FORMA DE JOGO

A altitude é uma das grandes armas do Santa Fe, que tem ótimo desempenho atuando em casa. Com um time competitivo, mas sem grandes estrelas, os principais atrativos da equipe de Harold Rivera está na boa aproximação entre os jogadores, especialmente quando Sherman Cádenas e Kelvin Osório estão inspirados e geram volume ofensivo. Além disso, há a pressão na marcação, mas, por outro lado, o Fluminense pode explorar o sistema defensivo com deficiências na saída de bola e com atletas mais pesados.

A equipe costuma apresentar dificuldades quando enfrenta adversários mais fechados ou com boa marcação na saída de bola, pois tem tendência a propor mais o jogo. O time tem velhos conhecidos brasileiros, como os meias Cárdenas (ex-Atlético-MG) e Seijas (ex-Internacional). O maior destaque é o meia Kelvin Osório, com sete gols em 18 partidas na temporada.

TIME BASE

O time que entrou em campo nas últimas partidas tem Castellanos; Arboleda (Alexander Porras), Torijano, Jeisson Palacios, Mosquera; Giraldo, Pico, Caballero (Velásquez); Osorio, Árias e Jorge Ramos. O Santa Fe não poderá contar com Carlos Arboleda, expulso no jogo de estreia da competição.

LOCAL DA PARTIDA

Com a mudança em cima da hora sobre o local do confronto, o Santa Fe também terá que jogar fora de casa. O Estádio Centenário de Armênia recebeu partidas do Pré-Olímpico ao longo do ano passado, inclusive da Seleção Brasileira, e foi construído em 1988, tendo capacidade atualmente para aproximadamente 21 mil pessoas. Para receber o torneio de competições, o local precisou passar por algumas reformas, como nos vestiários, bancos de reservas e pintura. Ele fica a 1.480 metros acima do nível do mar.