Como Fortaleza e Ceará se tornaram as principais forças do futebol nordestino

LANCE!
·3 minuto de leitura


O Estado do Ceará tornou-se a capital do futebol nordestino nos últimos anos. Fortaleza e Ceará, os dois clubes de maior expressão da região, estão juntos na elite do Campeonato Brasileiro desde 2019, quando o Leão do Pici garantiu o acesso após sagrar-se campeão da Série B em 2018. Além disso, são os dois últimos vencedores da Copa do Nordeste.

+ QUIZ: Você consegue acertar em quais países 22 jogadores nasceram?

Os resultados dentro de campo são reflexo do que os clubes vêm realizando fora das quatro linhas. As gestões recentes buscaram equilibrar as finanças e desenvolver projetos sólidos para figurarem entre os clubes de elite do Brasil.

Marcelo Paz foi eleito para de presidente do Fortaleza em 2018, ano do centenário do clube. Naquela oportunidade, o Leão conquistou o título da Série B do Brasileirão pela primeira vez e voltou à primeira divisão após 13 anos sem figurar entre os 20 melhores times do país.

Em 2019, o clube ainda faturou os títulos do Campeonato Cearense, da Copa do Nordeste e garantiu a permanência na Série A, com direito a classificação inédita para a Copa Sul-Americana. E, no ano passado, o bicampeonato estadual e mais uma vez a continuidade garantida na elite do Brasileirão pela terceira temporada consecutiva, outro feito inédito em sua história.

O Ceará, comandado pelo presidente Robinson de Castro, subiu para a Série A em 2017 e se mantém desde então. Em 2018, título do Campeonato Cearense e, em 2020, o troféu inédito da Copa do Nordeste. Para melhorar ainda mais, fez a melhor campanha de sua história na Série A do Brasileirão do ano passado, com 52 pontos e na 11ª colocação, posição que garantiu vaga na Copa Sul-Americana 2021.

+ Saiba quais são os times invictos no futebol brasileiro até agora

Fora dos gramados, os dois clubes conseguiram organizar suas finanças em meio a um cenário desafiador por conta da pandemia de Covid-19. Para ilustrar o tamanho do impacto: em 2019, o Fortaleza foi dono da segunda melhor média de público do Campeonato Brasileiro, atrás apenas do campeão Flamengo. Em 2020, com partidas sem a presença de torcedores, o tricolor não pôde contar com as receitas de bilheterias, um ativo de extrema importância.

'Uma regra que seguimos rigorosamente no Fortaleza é a de gastar apenas o que temos, isso é de extrema importância em nosso planejamento. Na pandemia, foi necessário montar uma logística financeira para enfrentarmos os desafios que, aliás, ainda estão presentes. Com muita força coletiva e compreensão, conseguimos cumprir com nossos compromissos e manter o clube na primeira divisão sem cometer exageros no âmbito financeiro', ressalta o presidente Marcelo Paz.

O Leão do Pici conseguiu, nos últimos anos, profissionalizar alguns departamentos internos, instaurou um sistema de compliance, que garante maior transparência e clareza nos objetivos, e também ampliou o número de lojas oficiais do clube. Uma marca importante da gestão de Marcelo Paz é a busca constante por maior exposição do Fortaleza com ativações e ações de marketing.

Paz falou sobre algumas das conquistas alcançadas fora dos gramados: 'O Fortaleza viveu uma transformação estrutural nos últimos anos. Hoje, temos uma gestão profissional, com diretores remunerados e especializados. Como o futebol não se resume aos títulos conquistados, nosso foco está sempre em construir uma gestão responsável'.

Fortaleza e Ceará são modelos e mostram o impacto que gestões bem realizadas podem causar dentro de campo. Equipes que não têm o mesmo poder aquisitivo e potencial de faturamento de outros clubes brasileiros, mas que conseguiram construir bases sólidas para figurar entre os principais times do país com frequência.