Como ficou a folha do Corinthians após os cinco reforços?

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Willian será dono do maior salário na nova folha alvinegra (Divulgação)
Willian será dono do maior salário na nova folha alvinegra (Divulgação)

A pergunta que não quer calar quando o assunto é Corinthians diz respeito à folha salarial. Quanto o Timão vai gastar depois das chegadas de Willian, Roger Guedes, João Pedro, Giuliano e Renato Augusto? Embora o clube não confirme os números, é possível afirmar que o custo mensal hoje voltou aos patamares do começo do ano.

Leia também:

Embora, seja preciso deixar claro que o time atual é muito superior a aquele da virada de 2020 para 2021. Na oportunidade, o Timão desembolsava R$ 14 milhões mensais. Depois de dispensar, liberar ou negociar 17 atletas, a folha caiu para algo na casa dos R$ 10 milhões.

Importante: apesar da enorme redução, o Corinthians continuou sofrendo para manter os vencimentos em dia. A folha do mês passado, por exemplo, ainda não havia sido paga até a última sexta-feira. O caso mais grave parece ser na base, cuja ajuda de custo para atletas que ganham até R$ 2 mil atrasou em mais de dois meses. Isso sem falar no FGTS, que não é pago desde 2019.

Mas voltando à nova folha. Com exceção de João Pedro, todos os outros quatro reforços vão ganhar o teto salarial alvinegro, que é de R$ 800 mil - mesmo valor a que já têm direito Cássio, Fagner, Gil e Luan.

Porém, para alguns dos novos contratados, os vencimentos não se resumem ao salário em carteira. Willian, por exemplo, desembarca no Parque São Jorge depois de rescindir com o Arsenal, onde ganhava pouco mais de R$ 3 milhões mensais. No exterior, surgiu a informação de que a oferta corintiana foi de R$ 1,5 milhão por mês - R$ 800 mil em salário e R$ 700 mil em luvas.

Já Roger Guedes e Giuliano vão embolsar, cada um, cerca de R$ 1 milhão/mês com o auxílio do prêmio pela assinatura do contrato. Roger Guedes terá direito a 40% do valor de uma venda futura. Por sua vez, Renato Augusto ficou nos R$ 800 mil, enquanto João Pedro fatura cerca de R$ 200 mil.

Desta maneira, o aumento da folha com o quinteto foi de R$ 4,5 milhões. Mas é preciso lembrar que Mateus Vital e Leo Natel foram negociados por empréstimo com Panathinaikos e Apoel, respectivamente, numa redução de aproximadamente R$ 500 mil.  

Ou seja, acréscimo de R$ 4,5 milhões com os reforços, queda de R$ 500 mil com as saídas e o Corinthians voltou aos R$ 14 milhões por mês do início de 2021.

>> Ouça o 'Segunda Bola', o podcast do Yahoo com Alexandre Praetzel e Jorge Nicola

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos