Como estão os brasileiros do CS na 'gringa'?

Yahoo Esportes
Brasileiros foram maioria no minor em Berlim (Reprodução)
Brasileiros foram maioria no minor em Berlim (Reprodução)

Por Abner Bento (@abnerbento)

A época em que jogar nos Estados Unidos parecia um sonho distante passou. Em 2019, com a evolução do cenário brasileiro de Counter-Strike: Global Offensive, diversas equipes brasileiras foram para a “Terra do Tio Sam” em busca de crescimento, e claro, vagas internacionais.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

SIGA O YAHOO ESPORTES NO INSTAGRAM

Neste ano, seis equipes tiveram a oportunidade de se aventurar na América do Norte e entre decepções, desafios, conquistas e oscilações, ajudaram a colocar o CS:GO brasileiro em evidência no cenário internacional.

Veja outras notícias do mundo dos Games

Assista a novos trailers de jogos

Confira o balanço que o Yahoo Esportes preparou sobre a temporada de 2019 das equipes brasileiras:

FURIA

Sem dúvida o ano mais inesquecível foi o da FURIA Esports, equipe conseguiu se estabelecer na elite internacional e ocupa o posto de melhor time brasileiro no ranking da HLTV, na décima posição. Nos Estados Unidos a equipe teve um papel até mesmo dominante e mesmo fora dele conquistou alguns títulos menores, como a Artic Invitational, EMF CS:GO World Invitational e ESEA Global Challenge.

Além de disputarem os dois Majors da temporada, a equipe teve ótimas participações em torneios “tier 1” como DreamHack Masters Dallas, ECS Finals e ESL One: Cologne. Fora do servidor, a equipe fez uma única troca este ano, com a saída de Rinaldo "ableJ" Moda Júnior para a entrada de Henrique "HEN1" Teles.

O próximo desafio da equipe é a segunda fase da etapa das Americas da ESL Pro League Season 10, que será disputada nos dias 15 a 18 de novembro. No grupo da FURIA também teremos a argentina Isurus, a eUnited e a 100 Thives (ex-Renegades).

MIBR

A mais badalada equipe brasileira teve um ano difícil e com bastante reformulação. Depois do retorno de Epitácio “TACO” Melo e Wilton “zews” Prado para apostar numa formação totalmente brasileira, a temporada foi abaixo do esperado, com poucos momentos de brilho do quinteto brasileiro. Mais recentemente, a saída de Marcelo “coldzera” David para a FaZe Clan acabou pegando muita gente de surpresa.

Para o lugar de cold, a tão sonhada vinda de Vito "kNgV-" Giuseppe finalmente aconteceu. O awper entrou com boas participações na equipe, mas os bons resultados ainda não apareceram. A equipe ocupa atualmente o 15º lugar no ranking da HLTV e terá ainda três torneios neste ano: CS:GO Asia Championship, ECS Finals e ESL Pro League Finals.

Sharks

A equipe com o caminho mais distinto de todas, a Sharks começou sua trajetória no exterior em um destino incomum: Portugal. A equipe que é portuguesa resolveu apostar num time brasileiro em meados de 2017, mas sempre retornou ao Brasil para disputar campeonatos e qualificatórios nacionais. 

Em setembro desse ano, a equipe mudou dentro e fora do servidor, as saídas do capitão Renato "nak" Nakano e Rodrigo "RCF" Caponero foram preenchidas pela dupla argentina Luca "Luken" Nadotti e Ignacio "meyern" Meyer. Além disso, a equipe foi para o Texas, nos Estados Unidos, em busca de mais oportunidades.

Até aqui, o pouco tempo de time parece não ter atrapalhado os tubarões. A equipe conquistou as vagas nas finais da ECS e da ESL Pro League que acontecerão em Arlington (EUA) e Odense (Dinamarca) respectivamente. O calibre dos torneios conquistados em dois meses nunca havia sido alcançado em dois anos de Europa, o que mostra que a mudança foi uma decisão acertada.

INTZ

De longe a equipe que mais sofreu com instabilidade durante toda a temporada. A INTZ teve uma campanha cheia de altos e baixos e sofreu bastante com as investidas da MIBR, que levou dois de seus jogadores em momentos distintos, primeiro João "felps" Vasconcellos, depois kNgV, desejo antigo de Gabriel “FalleN” Toledo e cia.

O grande momento da equipe na temporada foi, sem dúvidas, a conquista da vaga no StarLadder Berlin Major. A INTZ conquistou a vaga após bater a sul-coreana MVP PK na repescagem do mundial. A campanha ficou marcada pela dedicação e vibração da equipe, que foi apenas a terceira organização brasileira a ter um adesivo dentro do jogo.

Atualmente, a equipe teve a adição de Bruno "shz" Martinelli para substituir kNgV e como anunciado ontem pelo clube, Ricardo "boltz" Prass entra na equipe para o lugar de Lucas "DeStiNy" Bullo. A equipe segue invicta na ESEA Advanced e também irá brigar por uma vaga na ESL Pro League. 

Team oNe

Talvez o time brasileiro que mais sofreu nos Estados Unidos em 2019, a T1 não conseguiu bons resultados e teve poucas oportunidades de disputar torneios em LAN no país. Os dois campeonatos de maior expressão dos Golden Boys foram justamente os dois Minors das Américas, na qual a equipe acabou eliminada na fase de grupos em ambas as oportunidades.

No elenco, tivemos a saída do argentino Nicolás "NikoM" Miozzi para a entrada da revelação Bruno "b4rtiN" Câmara. Mais recentemente, Victor "iDk" Torraca, atleta que era o segundo mais antigo na organização, acabou trocado por Victor "bld V" Junqueira. 

Pela ESEA Season 32, equivalente a segunda divisão da Pro League, a Team oNe está na terceira colocação com 13 vitórias e quatro derrotas, matematicamente garantida nos playoffs e ainda podem sonhar com uma vaga na elite norte-americana.

Siga o Yahoo Esportes

Twitter | Flipboard | Facebook | Spotify | iTunes | Playerhunter

Leia também