Como Diniz e Muricy podem ajudar o elenco do São Paulo em reta decisiva

Gabriel Santos
·2 minuto de leitura


O São Paulo vem de duas derrotas seguidas, para Red Bull Bragantino e Santos, o que fez a equipe ligar o sinal de alerta no Campeonato Brasileiro, visto que a distância na liderança, que já foi de sete pontos, caiu para três. Assim, diretoria e a comissão técnica trabalham para blindar o elenco e passar confiança para os jogadores nesta reta final de competição nacional.

Olho neles! Veja técnicos estrangeiros que podem ser opções para times brasileiros em 2021

O técnico Fernando Diniz e o coordenador Muricy Ramalho já tomaram atitudes para recolocar a equipe no caminho das vitórias e levantar a moral do time na reta decisiva do Campeonato Brasileiro. E a primeira ação foi realizada por Diniz logo na entrevista coletiva do San-São.

VEJA A SITUAÇÃO DO SÃO PAULO NO CAMPEONATO BRASILEIRO

O treinador tratou de blindar a equipe e defender o elenco. Segundo ele, os jogadores são os responsáveis pela equipe estar na liderança do Brasileirão, e não são duas derrotas que vão apagar tudo o que fizeram até aqui.

- Ficamos de querer diminuir o valor do elenco. O elenco é bom, é o elenco líder do campeonato. É o elenco que estou contente. Se me perguntar semana que vem, daqui 15 dias, não vou mudar. Eu gosto, não sei quantas vezes repete essa pergunta quando perdemos um jogo - afirmou o treinador, mostrando certa irritação.


Não foi somente na comissão técnica que os jogadores foram defendidos. Na reapresentação do elenco na última terça-feira, o coordenador técnico Muricy Ramalho, que já foi tricampeão brasileiro como técnico do Tricolor entre 2006 e 2008, reuniu o elenco e Diniz para uma conversa.

O papo, que durou aproximadamente 30 minutos, foi realizado para passar confiança e apoio neste momento instável da equipe. Segundo o 'GE', Muricy afirmou que ficará à disposição dos jogadores para o que precisarem. mas que questões técnicas e táticas serão a cargo da comissão técnica.

Uma coisa é certa: o São Paulo precisa acordar e reagir rápido se quiser ter mais tranquilidade na busca pelo título do Campeonato Brasileiro, que não vem desde 2008, ou seja, há 13 anos.