Como Coutinho foi de indiscutível a polêmico na convocação em dois anos

Goal.com

A inclusão de Philippe Coutinho na lista de convocados de Tite para as primeiras rodadas das Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2022, no Qatar, não agradou muita gente.

O meia-atacante tem habilidade acima da média e, em determinado momento, chegou até mesmo a ser considerado o melhor jogador da seleção brasileira: aconteceu no Mundial de 2018. Desde então, contudo, o carioca caiu em desgraça perante a crítica e deixou de ser unanimidade.

Ápice até a Copa do Mundo

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio
Philippe Coutinho Brazil Costa Rica World Cup 2018
Philippe Coutinho Brazil Costa Rica World Cup 2018
Especialmente na fase de grupos, Coutinho foi decisivo no Mundial de 2018 (Foto: Getty Images)

A melhor versão de Philippe Coutinho vestiu a camisa do Liverpool. Foi entre 2013 e 2017. Depois de muito insistir, convenceu o clube inglês a aceitar a oferta do Barcelona e chegou ao Camp Nou em 2018, no meio da temporada, e desempenhou um bom papel dentro do que lhe cabia.

Era, também, ano de Copa do Mundo. A competição realizada na Rússia terminou com Neymar vendo sua imagem arranhada, por causa do excesso de quedas e reações exageradas, mas Coutinho teve sua participação elogiada no caminho até a eliminação para a Bélgica, nas quartas de final.

Críticas na Copa América

Philippe Coutinho Brazil Bolivia Copa America 2019
Philippe Coutinho Brazil Bolivia Copa America 2019
(Foto: Getty Images)

No caminho até retornar à seleção brasileira para a competição oficial seguinte, a Copa América de 2019, Coutinho já começava a ficar em baixa no Barcelona. E também não teve grande desempenho na conquista continental, embora tenha mantido o status como titular durante boa parte do caminho. Fez gols, mas não foi decisivo quanto se esperava. Não conseguiu assumir a liderança técnica no time após a lesão e corte de Neymar.

De protagonista a moeda de troca na Europa

Philippe Coutinho Bayern
Philippe Coutinho Bayern
(Foto: Getty Images)

Sem espaço no Barcelona após a Copa América, foi emprestado ao Bayern de Munique. O clube alemão tem a opção da compra em definitivo, mas apesar dos nove gols e oito assistências até aqui, os Bávaros ainda não estão convencidos a fazerem o investimento. E caso, ao final da temporada, Coutinho volte ao Barcelona, o clube catalão pensa, de acordo com a imprensa catalã, em envolvê-lo como moeda de troca para possíveis negociações.

O motivo central das críticas

A habilidade de Philippe Coutinho está acima de qualquer dúvida. É um jogador com ótima capacidade de leitura de espaços, tanto para chutes de curtas e longas distâncias, como para dar assistências. O problema é ser, na grande maioria das vezes, um termômetro do que acontece em campo: se o time está mal, a tendência é minguar em campo; se está bem, se agiganta com golaços.

O próprio Tite chegou a falar sobre este traço da personalidade do atleta, em entrevista recente para o jornal AS: “Coutinho precisa de carinho, de conversa, precisa ser mimado. Sua personalidade é um pouco frágil”.

Coutinho viu as críticas ficarem mais fortes na seleção brasileira durante a Copa América. A sua situação na Europa e a irregularidade no Bayern, onde não é titular, só fazem aumentar a desconfiança do torcedor quando ainda vê o nome do meia-atacante na lista de Tite.

Philippe Coutinho joga muito, mas desde o Mundial de 2018 decide pouco. E é possível ver isso através dos números.

Na Rússia, Coutinho fez dois gols e contribuiu com duas assistências. Participação direta em quatro tentos no total: todas essas participações vieram quando o Brasil ainda não havia estufado as redes. Ou seja: foi decisivo para fazer o time abrir o placar, mostrando caráter decisivo.

Consideramos, aqui, como lances decisivos as assistências e gols que terminam no primeiro gol, gol de empate ou que sacramenta uma virada/vitória. Veja abaixo o desempenho de Coutinho na Copa América e em sua atual campanha pelo Bayern.

Copa América 2019: 2 gols e uma assistência. Participação direta em 3 gols, apenas um decisivo – e com uma ressalva: Coutinho não fazia bom jogo na estreia contra a Bolívia até converter um pênalti que ele não sofreu.

Coutinho no Bayern 2019-20: 9 gols e 8 assistências. Participação direta em 17 gols, sendo que apenas 5 foram decisivos.

Para calar os críticos, Philippe precisa mostrar que decide nos momentos mais difíceis.

Leia também