Comentarista da Fox minimiza gritos homofóbicos da torcida do Vasco

LANCE!
Felipe Facincanni comentou sobre o assunto no 'Expediente Futebol' (Foto: Reprodução)
Felipe Facincanni comentou sobre o assunto no 'Expediente Futebol' (Foto: Reprodução)

Um dos principais assuntos dos programas esportivo após a 16ª rodada do Campeonato Brasileiro foram os gritos homofóbicos da torcida do Vasco no jogo contra o São Paulo. O árbitro Anderson Daronco paralisou a partida e relatou na súmula, o que pode levar o time de São Januário até a perder os pontos conquistados em campo por conta da atitude de sua torcida.

SIGA O YAHOO ESPORTES NO INSTAGRAM

O programa “Expediente Futebol”, dos canais Fox Sports, abordou o tema nessa segunda-feira, 26. Na visão de Felipe Facincanni, o canto dos vascaínos não caracterizou um ato discriminatório e sim uma brincadeira, uma tiração de sarro.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

“A gente tem que entender qual é a linha tênue de uma brincadeira, de uma tiração de sarro, que até pessoas que são homossexuais brincam uns com os outros com palavras que costumeiramente a gente, agora, tende a achar que são ofensivas, e quanto que isso é realmente uma discriminação social ou racial, que aí no caso para mim, qualquer tipo de brincadeira já ultrapassa o limite”, disse e prosseguiu.

Leia também:

“Para mim, a discriminação, a palavra 'fobia', o racismo, é quando você, em uma questão cultural impede ou bloqueia qualquer tipo de direito igual, humanitário, a um ser humano por uma opção. Seja abrir uma conta no banco, ter um emprego, uma questão social, de casamento, enfim. Acho que isso extrapola qualquer tipo de direito”, explicou.

Facincanni concluiu seu pensamento ao afirmar que os gritos da torcida do Vasco foram para tentar desestabilizar o adversário. “Geralmente no futebol, isso tem sido mais uma brincadeira para desestabilizar. Para mim, passa batido. Eu tenho essa visão. Eu não sou homofóbico, não sou racista, muito pelo contrário. Se a gente então transformar o 'time de v...' em 'time de palhaço, o palhaço vai se sentir ofendido. Então, eu parto por esse lado, que é mais uma tiração de sarro do que uma discriminação de fato, uma coisa odiosa. Eu, pelo menos entendo dessa forma, respeito a opinião de todo mundo, espero que tentem compreender a forma que eu enxergo. Só isso”, comentou.

Desde essa última rodada, a CBF colocou em vigor a nova regra contra a homofobia nos estádios. O Superior Tribunal de Justiça Desportiva, STJD, informou que os clubes podem ser punidos até com a perda de três pontos por atitudes homofóbicas das torcidas.



Siga o Yahoo Esportes

Twitter | Flipboard | Facebook | Spotify | iTunes | Playerhunter


Leia também