Com técnicos de todos perfis, gestão de Landim mantém 'rodízio' no Flamengo: um a cada sete meses

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.


Acabar com a rotatividade no comando do time era um dos objetivos da atual diretoria de Rodolfo Landim, que assumiu a presidência do clube em 2019, o qual não foi atingido. Confirmada a saída de Renato Gaúcho, o Flamengo chega a cinco trabalhos interrompidos em três anos, repetindo o problema de anos anteriores. Abel Braga, Jorge Jesus, Doménec Torrent, Rogério Ceni e Renato Gaúcho, profissionais dos mais virados perfis, foram os treinadores do clube.

O Flamengo ainda teve Marcelo Salles como técnico interino em junho de 2019, por quatro jogos, entre os trabalhos de Abel Braga e Jorge Jesus. Na reta final de 2021, Maurício Souza comandará a equipe do Flamengo por quatro rodadas do Campeonato Brasileiro, confirmou o clube após o desligamento de Renato.

O trabalho dos técnicos na "Era Landim", portanto, durou 208 dias, em média, entre a data de anúncio da contratação e de confirmação da saída do clube. O mais longevo foi o de Jorge Jesus, 412 dias entre julho de 2019 e julho de 2020.

Entre os treinadores, o que ficou menos tempo no cargo foi Doménec Torrent (101), seguido por Renato Gaúcho (136), Abel Braga (148) e Rogério Ceni (242).

Estudioso, boleiro, estrangeiro ou brasileiro... A diretoria do Flamengo foi atrás de técnicos de perfis distintos neste período. Com a demissão de Renato, o clube agora se posiciona no mercado atrás de um novo profissional, mas ainda não há indicação de nomes. No próximo sábado, o clube passará por eleições.

Independentemente do perfil, nenhum profissional conseguiu iniciar e encerrar uma temporada no comando do Flamengo nos anos de 2019, 2020 e 2021.

Vale destacar que Jorge Jesus tinha vínculo com o Flamengo e não o cumpriu por opção dele, e não do clube, que desejava a continuidade do trabalho. Os demais treinadores foram demitidos ou deixaram o cargo "em comum acordo".

MUITAS TROCAS MARCARAM 'ERA BANDEIRA'

As muitas trocas de técnicos também foram uma marca da gestão de Eduardo Bandeira de Mello, presidente do clube por dois triênios (2013-15 e 2016-18).

Foram 13 treinadores no período, sendo que Dorival Júnior comandou o time em duas oportunidades. Ele, Jorginho, Jayme de Almeida, Ney Franco, Vanderlei Luxemburgo, Cristóvão Borges, Oswaldo de Oliveira, Zé Ricardo - quem ficou mais tempo à frente da equipe, 15 meses - Paulo Cesar Carpegiani e Mauricio Barbieri foram demitidos. Já Mano Menezes e Reinaldo Rueda pediram para sair e Muricy Ramalho se afastou do cargo por conta de problemas de saúde.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos