Com reforços, xodós de antigos treinadores perdem espaço no Santos

·3 min de leitura
O volante Camacho perdeu espaço no Santos com a chegada de Bustos (Foto: Ivan Storti/Santos)


O Santos anunciou cinco reforços para esta temporada: o zagueiro Maicon, lateral-direito Auro, os volantes Rodrigo Fernández e Willian Maranhão, o meia Jhojan Julio e o centroavante Bryan Angulo. Os nomes fizeram com que outros jogadores do elenco perdessem espaço.

Camacho

O nome que mais se "afastou" dos gramados foi o volante Guilherme Camacho. Anunciado no dia 15 de julho de 2021, o volante foi titular com os últimos dois treinador do Peixe, Fernando Diniz e Fábio Carille. Com Bustos, porém, perdeu espaço.

Desde a eliminação no Campeonato Paulista, ainda na primeira fase, o Alvinegro da Vila Belmiro entrou em campo quatro vezes. Em nenhuma delas Camacho participou. Com contrato até dezembro de 2022, ainda não há conversas para uma possível renovação. Ele tem 47 jogos com a camisa santista.

Para o duelo contra o Coritiba, nesta quarta-feira (20), pelo jogo de ida da terceira fase na Copa do Brasil, vai cumprir supensão.

Sandry

Outro meio-campista que perdeu um pouco de espaço foi Sandry. Na temporada, ele precisou se recuperar de uma entorse no tornozelo esquerdo, que tirou o camisa 6 desde o começo da temporada. Contra o Cuiabá, na última rodada do Brasileirão 2021, foi titular.

Contra o Água Santa, na rodada final do Paulistão, Sandry entrou em campo na segunda etapa. Após essa partida e a chegada de reforços, o Menino da Vila só jogou contra o Fluminense, na estreia do Campeonato Brasileiro. Foram três jogos no banco de reservas.

Vinicius Balieiro

Balieiro entrou em campo pela última vez no clássico contra o Palmeiras, ainda no Paulistão, no dia 13 de março. Desde então, ficou fora de todos os jogos. O jogador ainda ficou no banco de reservas contra o Água Santa, mas na volta do Peixe para o segundo semestre, com os reforços, não foi mais relacionado.

Com Carille, Baileiro teve oportunidades, principalmente após sua renovação de contrato, em outubro. O treinador pediu a contratação de um “camisa 5”, mas por falta de tempo e recursos, o Santos não conseguiu atender o pedido. Assim, o Menino da Vila era a única opção do elenco com essas características.

Marcos Guilherme

No setor ofensivo, Marcos Guilherme deixou de ser unanimidade no Santos. Ele foi um pedido de Fernando Diniz no ano passado e foi titular em boa parte dos jogos. Com Carille, também foi importante. Chegou atuar como com os treinadores de lateral-direito, volante, meia e atacante.

Contra o Banfield, na estreia pela Copa Sul-Americana, foi titular na ala direita do Peixe. Após isso, deixou de aparecer entre os nomes. Foi cortado dos jogos contra Universidad Católica e Coritiba. Seu contrato está próximo de vencer. O jogador foi emprestado pelo Internacional até 30 de junho de 2022, e ainda não aconteceu uma sinalização do Peixe pela sua permanência.

Bruno Oliveira

O meia Bruno Oliveira não chegou ser titular absoluto na equipe do Santos. Mas, com Carille, chegou a ter oportunidades. A última vez em que Bruninho entrou em campo com a camisa do Santos foi na partida contra o Novorizontino, no empate em 2 a 2, pelo Paulistão. Ele foi colocado por Marcelo Fernandes aos 35 do segundo tempo na vaga de Ricardo Goulart, mas foi pouco participativo no jogo.

Ele fez apenas quatro jogos no ano. Ao todos, já são nove jogos seguidos em que não participa, sendo mais da metade sequer sendo relacionado.

Bruno é natural de Vinhedo (SP) e torce pelo Santos desde a infância. No currículo, acumula passagens por Bragantino, XV de Piracicaba e Grêmio Osasco antes de chegar à Caldense. O atleta atua como meia, mas também é opção como segundo volante. Ele chegou por empréstimo da Caldense até o fim de 2022, com opção de compra.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos