Com o olho para além do jogo, GLOBO estreia #nuncaésóesporte

O Globo
·2 minuto de leitura

O esporte profissional prospera como indústria, ostenta relevância crescente e apresenta personagens, instituições e entidades cada dia mais influentes. Movimenta rios de dinheiro, atrai corporações e governos, pauta comportamentos. Os desdobramentos das atitudes de atletas, dirigentes, clubes e federações alcançam a política, mexem com a economia, mobilizam multidões.

Para resumir: #nuncaésóesporte.

Está exilada na parede da memória a era do jogo pelo jogo, da disputa encerrada ao apito do juiz, da repercussão limitada ao resultado de campo. Daí, a premência de um olhar para além do esporte propriamente dito.

Da procedência do dinheiro que viabiliza supertimes, às lutas identitárias mais e mais urgentes; das trajetórias de personagens famosos e anônimos às reflexões sobre os impactos de jogos, provas e recordes; da concentração de riqueza ao esforço comovente de meninos em busca do olimpo esportivo — incontáveis histórias esperando por serem contadas, analisadas, aprofundadas.

Estará tudo na nova seção #nuncaésóesporte, que O GLOBO estreia nesta segunda-feira. O autor é Aydano André Motta, jornalista com 35 anos de profissão, nos quais cobriu quatro Copas do Mundo e acompanhou in loco dois Jogos Olímpicos. Debatedor do Sportv, ele oferecerá, nas páginas e no site do GLOBO, uma visão sobre aspectos pouco abordados do noticiário esportivo.

— Para usar um termo do futebol, a alienação precisa tomar cartão vermelho direto. Encerrou-se o tempo do jogo desprovido de interesses, muitas vezes nefastos — defende o jornalista. — O cenário de aguda desigualdade e alienação do futebol, por exemplo, merece ser observado com espírito crítico. O questionamento às mazelas variadas virou obrigação. Chega de compactuar com o racismo galopante, a intolerância religiosa, a concentração econômica, a apatia diante do calendário — no caso muito específico do Brasil. Entre outros temas.

Assim, o viés jamais será o erro do juiz, a estratégia do treinador, a contusão do craque; nesse time, só têm vaga aspectos humanos, comportamentais, relatos aprofundados, que decifram os personagens e apontam as tendências. Reportagem, opinião, reflexão serão titulares absolutas.

O #nuncaésóesporte será publicado a cada 15 dias, às segundas-feiras — mas o texto de estreia sairá amanhã. Nos textos, o gol (ou ponto, ou recorde) só será validado quando o esporte for, muito além do divertimento, ferramenta de bem estar social.