Com mescla de atletas experientes e revelações, taekwondo brasileiro busca voltar ao pódio no mundial em Manchester

Yahoo Esportes
(Divulgação)
(Divulgação)

Por Marcelo Romano

A partir desta quarta-feira, 15 de maio, acontece na Inglaterra, o mundial de taekwondo. Um total de 975 lutadores de 150 países, além de uma equipe de atletas refugiados, estará na disputa em Manchester. O Brasil contará com 16 representantes, um em cada categoria. O objetivo é conseguir ao menos uma medalha, o que não ocorreu na edição de 2017. Os mundiais são realizados a cada 2 anos.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

O taekwondo costuma ser um dos esportes mais democráticos do programa olímpico. No mundial 2017 por exemplo, 30 países conseguiram medalhas, incluindo Moldávia, Letônia, Gabão e Bulgária. Na Rio 2016, países com pouca tradição em outros esportes como Jordânia, Costa do Marfim e Níger, obtiveram medalhas.

Da mesma forma que ocorre em outras modalidades como judô, tênis de mesa e canoagem slalom, conseguir uma medalha no mundial de taekwondo é mais difícil do que na Olimpíada. Algumas categorias chegam a ter mais de 60 inscritos, ao contrário dos 16 da Olimpíada. O mundial 2019 terá disputas em 16 pesos, 8 masculinos e 8 femininos. Na Olimpíada são 8 categorias, mas mesmo os que competirem em pesos não olímpicos neste mundial, poderão estar em Tóquio 2020. O evento de Manchester dará importantes pontos no ranking olímpico, a ser fechado em dezembro.

Em 2017 o Brasil saiu zerado. Em 2015 foram 2 bronzes com Venilton Teixeira e Iris Sing. Nenhum deles estará neste mundial. Na história, o Brasil tem um único ouro de Natalia Falavigna, 4 pratas e 9 bronzes.

A equipe brasileira para 2019 mistura atletas experientes como Maicon Siqueira, Henrique Precioso e Talisca Reis, com revelações como Sandy Macedo ( tem esse nome em homenagem a cantora Sandy e foi medalhista nos Jogos Mundiais da Juventude em 2018), João Victor Diniz e Eduardo Baretta, todos com 18 anos.

O esporte costuma apresentar bastantes surpresas como foram as medalhas de Venilton no mundial 2015 e de Guilherme Dias no mundial 2013. Mas 4 nomes do Brasil tem demonstrado boa regularidade nos últimos tempos: Maicon Siqueira, Talisca Reis, Netinho e Milena Titoneli

(Divulgação)
(Divulgação)

Maicon Siqueira foi bronze olímpico em 2016 e fez um bom mundial em 2017. Costuma figurar entre os melhores, nas competições que participa. Talisca Reis foi vice no US Open 2018 e ocupa o 9º lugar no ranking dos 49kg. Ela vai para seu 4º mundial e valoriza a experiência adquirida : “ acredito que estou mais bem preparada, tanto fisicamente, como psicologicamente. A subida no ranking me dá motivação para buscar uma vaga olímpica”.

Edival Pontes, o Netinho, foi medalhista de ouro nos Jogos Mundiais da Juventude em 2014. É apontado como a grande revelação do taekwondo brasileiro na década. No mundial 2017 venceu duas lutas, mas teve de encarar na sequencia o quase imbatível sul-coreano Lee Dae-hoon, tricampeão mundial. Agora, ocupa o 8º lugar no ranking mundial dos 68kg. Ele valoriza o momento do esporte no Brasil : “Estou confiante para meu 2º mundial Minha preparação foi muito boa. Tivemos um camping de 10 dias com toda a seleção brasileira e muito treino em Rio Claro- SP. Temos uma nova gestão, uma nova equipe, buscando um resultado histórico”.

Já Milena Titoneli faturou ouro no US Open deste ano. Outros brasileiros que hoje ocupam o top 10 de suas categorias no ranking mundial são: Paulo Melo, 10º nos 54kg e Icaro Soares, 8º nos 87kg. Um bom posicionamento no ranking é fundamental para não pegar adversários complicados nas primeiras lutas.

Os mundiais de taekwondo são realizados desde 1973. A Coréia do Sul é a grande potência da modalidade. No quadro geral de medalhas tem 167 de ouro e 232 no total. Depois aparecem Espanha, Taipei, Turquia e Irã. Em 2017 os sul-coreanos levaram 5 ouros dos 16 possíveis e 10 medalhas no total. O principal nome é Lee Dae-hoon, um fenômeno da modalidade, dono de 3 títulos mundiais e duas medalhas olímpicas. Ele disputa seu 5º mundial. Outras atrações vem do feminino: Sim Jae-young e Lee Ah-reum, defenderão seus títulos nas categorias -46kg e -57kg.

Na dona da casa todas as atenções para duas atletas: a bicampeã olímpica Jade Jones, nos 57kg e Bianca Walkden, bicampeã mundial em 2015 e 2017, acima de 73kg. Na Rússia, a atração é Maksim Khramtsov, atual campeão mundial e europeu nos 74kg. Do continente africano o atual campeão do +87kg, Abdoul Issoufou, de Níger, está confirmado; assim como o campeão olímpico dos 80kg, Sallah Cisse, de Costa do Marfim.

Confira as datas e categorias em que lutam os 16 brasileiros:

Dia 15, quarta-feira: Valéria Rodrigues- 46kg, Eduardo Baretta- 58kg e Paloma Lima- 73kg

Dia 16, quinta-feira: Paulo Melo- 54kg, Netinho- 68kg e. Gabriele Siqueira- acima de 73kg

Dia 17, sexta-feira: Talisca Reis-49kg, Sandy Macedo- 57kg e Henrique Precioso- 74kg

Dia 18, sábado: Nathalia Lima- 53kg, João Victor Diniz-63kg, Milena Titoneli- 67kg e João Pedro Chaves- 80kg

Dia 19, domingo: Caroline Gomes- 62kg, Ícaro Soares- 62kg e Maicon Siqueira- 87kg.

O Sportv deve transmitir as finais das categorias. O site oficial do evento é o http://kickingforglory.com/

Leia mais no Yahoo Esportes:

São Paulo fatura R$ 2,2 milhões graças a Thiago Mendes

Palmeiras e Felipe Melo encaminham renovação de contrato do volante

Próximo rival do Vasco, Avaí sai em defesa de Sidão após trolagem

Dar opinião sobre futebol ainda é privilégio masculino

Leia também