Com meia Enzo Pérez no gol, River consegue vitória heróica (2-1) sobre Santa Fe na Libertadores

·4 minuto de leitura
O meia Enzo Pérez em ação como goleiro do River Plate contra o Santa Fe no jogo da Copa Libertadores no dia 19 de maio de 2021 em Buenos Aires

Sem reservas no banco e com o meio-campo Enzo Pérez improvisado como goleiro, o River Plate, atingido por inúmeros desfalques de infectados com covid, conseguiu uma incrível vitória por 2 a 1 sobre o colombiano Independiente Santa Fe nesta quarta-feira, em jogo da quinta rodada do Grupo D da Libertadores.

Fabrizio Angileri (3) e Julián Álvarez (5) marcaram os gols da vitória do River no estádio Monumental, e Kelvin Osorio (72) descontou para o time de Bogotá, em uma noite em que quase não houve pressão sobre Enzo Pérez, o inesperado goleiro.

"Eu apenas tentei me concentrar em ajudar a equipe", disse Enzo Pérez no final da partida, um excelente meio-campista que mais do que cumpriu seu papel improvisado de goleiro.

"Obviamente, meus colegas goleiros me escreveram e o treinador de goleiros também me ajudou", acrescentou o integrante da seleção argentina, que confessou ainda não ter assimilado a histórica vitória.

- Determinação -

Não foi fácil para o River, com um elenco dizimado, com 20 desfalques forçados e apenas dez jogadores em condições físicas, além de Enzo Pérez, que sofreu uma contratura muscular, e aceitou com determinação a oportunidade de ocupar a meta do time argentino.

O River, além de jogar sem reservas, teve que ser forçado a um esquema de 5-3-2, porque quem estava mais em forma eram os zagueiros, e Gallardo também foi forçado a promover a estreia de seu zagueiro Tomás Lecanda, de 19 anos, e do volante Felipe Peña, de 20.

Em meio a todos estes problemas e obstáculos, o River deu o melhor que tinha e mostrou uma determinação ferrenha desde o início diante do Santa Fé que parecia vencido pela exigência de ser o favorito, e acabou sendo surpreendido por uma equipe que, longe de procurar se fechar atrás, partiu para cima.

Faltava apenas um minuto e Fontana aproveitou um erro de defesa para chegar à área, mas definiu para fora, e imediatamente, em ação semelhante, Palacios falhou e Fontana finalizou, Castellanos defendeu, mas cedeu um longo rebote que Angileri aproveitou a passividade do visitante para trás para mandar a bola para o fundo da rede.

Sem dar tempo para o adversário reagir, River aplicou outro golpe no time de Bogotá, em uma cobrança de falta frontal de Angileri para a escapada de Álvarez, que avançou sozinho pela esquerda, com tempo para ajeitar e superar Castellanos com uma bomba no ângulo.

O visitante demorou a se recuperar, mas foi o River quem se encarregou de ficar com a bola o mais tempo possível, de administrar o ritmo do jogo, diante de um adversário atordoado, que se repetia em cruzamentos improdutivos, com Porras como única opção pela direita.

Um cruzamento fechado de González que Maidana tirou na linha e um chute de longa distância de Palacios que Enzo Pérez mandou para escanteio foram as principais chances do Santa Fe, muito pouco para preocupar o River que conseguiu resolver a difícil missão de defender seu meia que virou goleiro.

O River foi inclusive mais contundente quando pisava na área colombiana, aproveitando os erros da defesa do Santa Fé, e Álvarez quase marcou o terceiro.

- Histórico e anedótico -

Depois de um primeiro tempo péssimo, o técnico Harold Rivera colocou em campo Diego Valdés e Kelvin Osorio, para dar mais dinamismo ao ataque colombiano, e foi justamente Osorio quem chegou para soltar um disparo que foi desviado.

Com menos fôlego do que no início, o River começou a recuar cada vez mais, enquanto o Santa Fe enchia a área com cruzamentos aéreos, mas o time da casa oferecia resistência, tendo Carrascal como único jogador no ataque, plantado na área adversária.

De tanta insistência veio o gol do visitante, em uma boa escapada de Jhon Arias, que venceu Casco na esquerda e cruzou para a chegada de Osório, que tocou para o fundo da rede sem problemas.

Exausto, o River reforçava sua defesa a cada tentativa do Santa Fe que, do seu lado, carecia de ideias, para alívio dos argentinos.

À sua maneira, com a personalidade pela qual é conhecido, o River Plate fez história ao vencer um jogo incrível, além de ficar perto da classificação, em um duelo em que superou todos os obstáculos para surpreender mais uma vez seus adversários e o mundo do futebol.

Com este triunfo, e a uma rodada do fim, o River assumiu a liderança do Grupo D com 9 pontos, seguido pelo Fluminense (8) e Junior Barranquilla (6), enquanto o Independiente Santa Fe (2) foi eliminado do torneio.

Na última rodada, na terça-feira, dia 25 de maio, o River vai receber o Fluminense, e no mesmo dia os colombianos Santa Fe e Junior se enfrentam em Ambato, no Equador.

str/cl/aam

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos