Com liberação para 1/7, Antony não deve mais treinar no São Paulo

Fellipe Lucena
LANCE!


Se já havia dúvidas sobre a possibilidade de Antony disputar um jogo de despedida pelo São Paulo, com o anúncio do governador João Dória de que os clubes da Série A1 do Paulistão só poderão retomar as atividades em 1º de julho é praticamente certo que ele nem voltará a treinar no clube. Exatamente nesta data começa a valer o contrato do atacante com o Ajax (HOL).

Os clubes de São Paulo esperavam que a liberação de Dória fosse já para esta semana e ficaram contrariados com a medida mais cautelosa adotada pelo governador. Uma reunião com a Federação Paulista de Futebol nesta quinta-feira à tarde pode resultar em uma tentativa de convencê-lo a antecipar a data, o que daria a Antony a chance de ao menos treinar com os companheiros.

Mesmo que aconteça, porém, a possibilidade é remota. O estafe do jogador já está se organizando para fazer a mudança para a Holanda e, como ele dificilmente teria tempo hábil de atuar no retorno do Paulistão, a tendência é não reintegrá-lo ao grupo são-paulino quando os treinos coletivos começarem.

Chegou-se a cogitar que o jovem pudesse permanecer no Brasil por mais um mês, caso o Campeonato Holandês atrasasse, mas o Ajax sinalizou que não deseja adiar sua apresentação. Com isso, a despedida de Antony do São Paulo muito provavelmente foi a vitória por 2 a 1 sobre o Santos, no Morumbi vazio, a última partida antes da paralisação do futebol por causa do coronavírus.

Antony foi vendido por 16 milhões de euros (R$ 94 milhões na cotação atual), que podem virar 22 milhões de euros (R$ 129 milhões) se ele atingir todas as metas estipuladas em contrato ao longo de sua passagem pela Holanda.

Na mesma negociação, o São Paulo vendeu os 20% dos direitos econômicos de David Neres que ainda lhe pertenciam. Neste caso, o pagamento já foi efetuado: foram 7 milhões de euros (cerca de R$ 32 milhões de euros na ocasião).

Cria de Cotia, Antony tem 52 jogos como profissional e seis gols marcados. Nesta temporada, em que trocou a camisa 39 pela 11, ele entrou em campo apenas quatro vezes porque defendeu a Seleção Brasileira sub-23 no Pré-Olímpico da Colômbia, em janeiro.












Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Leia também