Com a força da base, Fluminense tem atuação consistente e se aproxima do G4 na reta final do Brasileirão

Felipe Melo
·3 minuto de leitura


Um dos maiores orgulhos da torcida do Fluminense é a sua fábrica de jovens localizada em Xerém. De lá, foram garimpados diversos nomes de sucesso, que se destacaram no clube e pelo mundo afora. Com uma temporada atípica por causa da pandemia, o Tricolor apostou novamente em sua garotada e os resultados começaram a aparecer com qualidade e uma grande perspectiva de futuro.

> Confira e simule a classificação do Campeonato Brasileiro

Antes de começar o Brasileirão, o clube carioca não estava entre os favoritos a conquistar uma vaga na Libertadores 2021. E as eliminações nas Copas Sul-Americana e do Brasil trouxeram muitas incertezas quanto ao trabalho do ex-treinador Odair Hellmann, que deixou o clube em dezembro. Contudo, o time cresceu na competição e surpreendeu, chegando a figurar entre os quatro primeiros em algumas rodadas.

> Relembre as campanhas do Fluminense na Libertadores

Com o retorno do técnico Marcão, a equipe passou por um momento de irregularidade, mas se encontrou com a virada do ano e não perde há sete partidas (Sport, Coritiba, Botafogo, Goiás, Bahia, Atlético-MG e Ceará). A confirmação da vaga na Pré-Libertadores após oito anos chegou, mas o Tricolor quer mais, almeja a fase de grupos e se aproxima do G4 na reta final.

Atuação consistente e show da base

Para continuar a sua saga em busca da fase grupos, o Fluminense necessitava quebrar um jejum de 16 anos sem vencer o Ceará no Castelão. E para isso, jovens como John Kennedy, Calegari e Martinelli somados aos experientes Nenê, Nino e Luccas Claro, precisavam fazer um jogo consistente. Apesar do Vozão ter tido algumas oportunidade na primeira etapa, o time carioca soube sofrer no momento certo e ser letal nas chances que apareceram.

E o que se viu nos dois primeiros gols foi o decisivo Nenê regendo com maestria o meio-campo Tricolor. Com um passe em profundidade deixou John Kennedy na cara do gol, e o atacante teve tranquilidade para abrir o placar no primeiro tempo. Na etapa final, mais um belo passe, agora para Egídio cruzar para trás e Martinelli ampliar para o Flu.

> Confira mais notícias do Fluminense

Desde que assumiu a titularidade, o camisa 38 ainda não perdeu como jogador profissional e tornou-se o motor do time depois da saída de Dodi. Ele estreou diante do RB Bragantino e de lá pra cá foram sete vitórias e dois empates como titular, com três gols anotados. Já John Kennedy fez o seu quinto jogo nos profissionais e mostrou personalidade. Mesmo furando em um lance, o jogador teve consciência do seu papel em campo e marcou um bonito gol.

Por fim, quando VIna descontou de pênalti, o Flu voltou a ser letal e após cruzamento de Egídio, o jovem atacante Samuel marcou o seu primeiro como como profissional. Com o triunfo, o time já soma 60 pontos e encostou de vez em Atlético-MG e São Paulo, terceiro e quarto colocados, respectivamente. Apenas dois pontos separa o Tricolor das duas equipes restando apenas duas rodadas, porém os paulistas têm um jogo a menos, contra o Palmeiras.