Com dominância contestada, equipe Mercedes encara seu maior desafio em 3 anos

Por Alan Baldwin

Por Alan Baldwin

SOCHI (Reuters) - A equipe Mercedes, que domina a Fórmula 1 há três temporadas, enfrenta neste ano a possibilidade de uma terceira derrota em quarto corridas, depois de a Ferrari ter obtido os dois melhores tempos no treino classificatório para o Grande Prêmio da Rússia, neste sábado.

    Pela primeira vez em 31 corridas, desde Cingapura em 2015, os fãs da F-1 verão um grid de largada sem carros da equipe na primeira fila.

    O alemão Sebastian Vettel, tetracampeão mundial, faturou a pole position, com o seu companheiro de equipe, Kimi Raikkonen, completando a primeira fila, a primeira vez que a Ferrari consegue esse feito desde 2008. O treino também encerrou 18 pole positions seguidas da Mercedes.

    O chefão da Mercedes, Toto Wolff, disse que a perda da primeira fila aconteceria em algum momento. “Tivemos tantas pole positions, tantas dobradinhas de primeira fila, 52 vitórias em três anos e sabíamos que em algum momento isso mudaria”, afirmou.

    “Agora esse é exatamente o desafio que temos pela frente. Toda série um dia acaba. Você não vencerá eternamente, por mais que gostaríamos”, acrescentou.

    Valtteri Bottas, o finlandês que chegou à Mercedes em janeiro, em substituição ao aposentado campeão mundial Nico Rosberg, ficou em terceiro lugar no treino, com o tricampeão Lewis Hamilton somente em quarto.

    Hamilton, que largou na pole position nas duas primeiras corridas do ano, mas está sete pontos atrás de Vettel no campeonato, cometeu erros na qualificação e teve problemas para controlar o carro.

    Até agora, a Mercedes havia demonstrado domínio nos treinos classificatórios de 2017, mas a Ferrari se mostrou mais consistente nas corridas.

    “Vimos nas últimas provas que eles foram muito fortes em ritmo de corrida. Faremos o que estiver ao nosso alcance para vencer a prova, mas será difícil. A Ferrari fez um grande trabalho na pré-temporada e as duas equipes estão muito à frente de todas as outras”, declarou Wolff.