Com discurso ultrapassado, Eurico Miranda bomba nas redes sociais, mas não traz nada de novo

Juliana Damasceno

-Eurico, você é amado e odiado na mesma proporção. Você é do bem ou do mal?

João Carlos Albuquerque, que hoje comanda o “Bola da Vez”, na ESPN Brasil, bem que tentou. Mauro Cesar e Cícero Melo, convidados de bancada, também. Mas nada tirou o velho e bom Eurico Miranda de seu eixo. O programa que foi transmitido ao vivo, “sem cortes”, como o próprio cartola anunciava ao longo da programação da emissora, ficou modorrento e cansativo, frente às respostas “sabonete” do presidente do Vasco – que atribuiu inveja aos seus detratores.

Nesse mais do mesmo, Miranda falou sobre a CPI do Futebol, que o indiciou, mas “não deu em nada”. Falou sobre seus dois mandatos como deputado, alegou que nunca mexeu em dinheiro público, que nunca nomeou ninguém.

-Odiado, eu sei que sou. Primeiro pra alguns que não têm nada a ver, só pela imagem que fazem a respeito. Principalmente porque estimulei uma rivalidade com o Flamengo e me coloquei sempre numa posição de defender os interesses do Vasco. O Vasco não é um clube regional, é nacional. Isso te dá uma projeção e cada um faz a sua imagem do outro. E também causo inveja… o problema da inveja é da natureza humana. Sou casado com a mesma mulher há 48 anos, quatro filhos, nove netos. Não tenho problemas, desvios. Isso pra mim é uma bênção, mas causa inveja.

Eurico falou que reconhece a sua contribuição para o futebol brasileiro. Que criou a Copa do Brasil, em sua passagem breve pela CBF – ainda na época da gestão Ricardo Teixeira. E saiu pra cuidar do Vasco, que foi o que sempre gostou de fato.

Também falou que apoia a existência das organizadas, desde que não interfiram nas decisões do clube. E deu aquela enrolada tradicional, ao falar dos chefões do futebol brasileiro.

-Se eu não contribuí em nada, analisem como quiserem. Ricardo Teixeira não sabia nada de futebol, mas era genro do [João] Havelange. Marin era mais ligado à política do que ao futebol… não posso falar de coisas das quais não tive participação, mas ele sempre teve uma conduta de respeito conosco. E o Marco Polo, a única deficiência que posso dizer dele é que não enfrenta. Eu sou de enfrentar, por isso fico muito à vontade.

Os internautas, em peso, bem que esperaram um embate mais acirrado entre Mauro e Eurico. Mas ficou para uma próxima…