Com dever cumprido na Europa, Gerson pede valorização do futebol brasileiro no retorno ao Flamengo


Feliz de volta para a casa, com o sentimento de dever cumprido por sua passagem no Olympique de Marselha e com o desejo de conquistar títulos: assim Gerson se apresentou no Flamengo, nesta quinta, para iniciar a segunda "Era do Coringa" no Ninho do Urubu. Ao lado de Marcos Braz, Bruno Spindel e Rodolfo Landim, o novo camisa 20 resumiu o seu objetivo: "Quero ser um vencedor".

+ Vaivém do LANCE!: confira todas transferências de clubes brasileiros no Mercado da Bola

- Eu tive oportunidade de continuar na Europa, mas nenhum dos projetos foram como o do Flamengo. Voltar para um gigante, ser campeão, disputar títulos. Os projetos não foram ambiciosos como o do Flamengo, sempre para ganhar. Eu já tive minha primeira passagem, venci, mas quero escrever minha história como vencedor. Venci, agora que eu vou ser vencedor. Para mim não foi nada difícil voltar ao Flamengo, ainda mais quando me apresentaram o plano de carreira para mim. Temos que valorizar o futebol - afirmou Gerson.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Após defender o Flamengo entre 2019 e 2021, Gerson atuou pelo Olympique entre 2021 e 2022, mas perdeu espaço na segunda temporada após as coisas "não darem certo" na relação com o técnico Igor Tudor - nas palavras do próprio atleta. Porém, o Coringa reforçou o discurso da diretoria do Flamengo — a passagem pela França foi bem-sucedida.

- É uma coisa que não tive (frustração). Até porque fizemos grandes coisas lá. Em números de gols e participações, foi o melhor momento da minha carreira. 13 gols e 10 assistências. A classificação para Champions sendo um dos principais nomes do elenco. Não vejo frustração. Vejo que fui bem, mas não tive bom convívio com o treinador que chegou e optei por viver de outra forma - afirmou.

Gerson Fla
Gerson Fla

Gerson durante a apresentação no Ninho do Urubu (Foto: Divulgação/ Flamengo)

VALORIZEM O FUTEBOL BRASILEIRO!

Ao atender os jornalistas no Ninho do Urubu, o meia do Flamengo pediu a valorização do futebol nacional. O seu retorno, aos 25 anos, despertou o debate sobre as idas e vindas de jogadores do Brasil para o futebol europeu. Na visão de Gerson, o país tem potencial para ser elite.

- Nós, brasileiros, erramos muito nesse sentido. Sempre temos alguns dos melhores jogadores, ajudamos muito os europeus, cedendo nossos atletas, e nós criticamos nosso futebol. Tínhamos que fazer do nosso futebol a elite. Criticamos, se voltar é um tiro no pé e damos força para eles lá falarem mal do nosso país. Nosso futebol tinha que ser a elite. Pelos jogadores que temos. Os clubes que temos. Os jogos são difíceis. Falando por mim, temos que pensar nesse sentido. O brasileiro acaba batendo no nosso esporte, no nosso jogador, no nosso campeonato. Tínhamos que dar mais moral para o nosso país. Cresceríamos muito mais - avaliou o camisa 20.

Confira outras respostas do volante Gerson, novo camisa 20 do Flamengo:

EXPERIÊNCIA NA EUROPA

"É sempre bom ter aprendizados. Fui lá, aprendi novas coisas, novas funções como Coringa. Espero que seja da melhor forma possível. Até melhor que a primeira passagem, trabalhando para isso. Com o elenco que temos, é possível, sim."


ELOGIOS DE FÍLIPE LUÍS E RETORNO AO NINHO

"É uma satisfação enorme, grande jogador, de Seleção, de Copa. Receber elogios dele.

Encontrar meus companheiros. O Caio disse que parece que nem fui embora. Foi a minha sensação, de nem ter ido embora. Sempre me senti em casa, desde a portaria, todos os funcionários do clube. Sempre é bom trabalhar onde você se sente bem.


Eu lembro de todo mundo. Nunca me esqueci. Sempre aprendemos todos os dias, com pessoas mais velhas, mais novas. Com todos funcionários, da primeira vez que cheguei, todos me trataram muito bem. Minha família sempre me ensinou a tratar todos iguais. Presidente, tia da cozinha, porteiro, isso nunca vai importar. É uma coisa de criação e que levo para a minha vida."


EVOLUÇÃO NO FUTEBOL EUROPEU

"Lá eu só não joguei de lateral-direito, goleiro ou zagueiro. De resto já fiz tudo. Falso 9, centroavante...

Mais Coringa do que nunca. O principal é o que o clube pede: raça, vontade de jogar, disposição de ajudar os companheiros. Até de lateral-esquerdo eu fiz lá. Sempre busco aprender todos dias. Tive a oportunidade de ir lá. O Gerson que volta hoje é um Gerson focado, mais maduro e com a cabeça em ganhar sempre pelo Flamengo."


MOTIVOS PARA VOLTAR AO FLAMENGO


"O principal motivo ser o Flamengo. Gigante, o carinho, respeito que tenho pelo Flamengo. Quando você está com a cabeça de sair de um clube e o Flamengo entra na situação, é complicado. O principal motivo foi esse. Não tem outro."

CONCORRÊNCIA NO MEIO DE CAMPO

"A concorrência é muito grande, ótimos jogadores. Vidal, Pulgar, Thiago Maia, João Gomes. Isso fico feliz, é bom para o Flamengo. Ainda não conversei com o treinador. Estou disposto a ajudar. Minha função principal é o volante, mas posso ajudar um pouquinho mais à frente."

SENTIMENTO DURANTE A NEGOCIAÇÃO

"Momento, não vejo como difícil, mas de ansiedade, de querer resolver as coisas. Foi a primeira vez que participei assim. Eles me passavam tranquilidade, mas eu ficava nervoso. Tratando do Flamengo, gigante, meu clube do coração. Eu quero voltar, minha família também. Mandava mensagem pro Bruno. Fiquei muito ansioso. Bom que no final deu certo e estou aqui mais uma vez."

SELEÇÃO BRASILEIRA


"Procuro sempre trabalhar com excelência no clube para que surjam oportunidades de representar meu país. Não fui, mas fiquei mais triste ainda de não temos sido campeões. Estando lá ou não, sou brasileiro e tenho muitos amigos lá. Os olhos estão sempre virados para o Flamengo, mas tenho que estar bem aqui. Meu primeiro foco é no Flamengo. Depois é consequência."

MUNDIAL
"Mais uma oportunidade. Espero que ocorra tudo bem e a gente possa realizar nossos sonhos."

RELAÇÃO COM IGOR TUDOR, TÉCNICO DO OLYMPIQUE

"É simples: não deu certo. Não tenho muito o que falar. Não tenho mágoa nenhuma. Futebol é assim, temos que estar preparados."