Com contrato até 2020, Ricardo Goulart não pensa em deixar a China, mas sonha com Europa

Yahoo Esportes

Por Marcelo Guimarães

Um dos destaques do Cruzeiro na conquista do bicampeonato brasileiro de 2013 e 2014, Ricardo Goulart deixou Belo Horizonte para jogar no Guangzhou Evergrande há três anos. Desde então, ele sempre é lembrado pelos principais clubes do Brasil durante as janelas de transferências.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Você já viu o novo app do Yahoo Esportes? Baixe agora!

Com contrato até janeiro de 2020, o atacante garantiu que não deseja deixar o clube chinês antes do fim do seu compromisso, mas não escondeu o sonho de atuar no futebol europeu, sem definir qual seria o país preferido. Em entrevista ao Yahoo Esportes, ele também falou dos planos de um dia voltar ao Brasil.

– Atuar na Europa é uma vontade que eu tenho. Não penso em nenhum país em específico, mas atuar no alto nível do futebol europeu é um desejo que sempre tive e nunca escondi. Tenho contrato no Guanghzou e pretendo cumprir, se um dia acontecer será muito bom. Voltar ao Brasil também é algo que eu pretendo fazer na minha carreira. Como eu falei, tenho contrato aqui na China e não estou planejando o meu futuro no momento, estou vivendo as minhas experiências aqui.

Ricardo elogiou a evolução do futebol chinês e destacou que, atuar fora das principais ligas do futebol mundial, não atrapalha o desejo de voltar à Seleção Brasileira. O atacante só tem uma convocação em seu currículo, em 2014, quando Dunga ainda era o técnico da equipe pentacampeã mundial.

– É uma evolução muito clara. Cada ano que passa está mais competitivo, mais forte, mais disputado. Já conseguimos títulos aqui desde que eu cheguei, mas todo ano fica ainda mais difícil, vários times investindo, jogadores de peso chegando. É muito bom. Vários jogadores têm sido lembrados para a Seleção Brasileira, foi assim na disputa da Copa do Mundo, agora nessa última convocação também. Eu estou tranquilo, continuo sempre trabalhando, dando meu máximo. Se aparecer a oportunidade, será ótimo. Sei que é um novo ciclo, então sempre ficamos de olho. Estou à disposição.

Atacante destaca qualidade de vida na China e diz que fica fora de negociações

Antes de fechar com o Guangzhou Evergrande, o atacante disse que não precisou conversar com ninguém para tomar a sua decisão, já que tinha certeza que faria parte de um projeto sério. Ricardo fez questão de elogiar a qualidade que a sua família tem na China.

– A gente sempre se fala entre nós jogadores, pergunta como é viver nos lugares, como são os costumes, sempre nos preocupamos com as famílias, mas não falei com ninguém em específico sobre o clube. Sabia que o projeto era positivo e fiquei muito tranquilo para tomar a minha decisão. Eu gosto muito de morar aqui, moro em uma cidade muito boa, realmente tenho uma vida muito tranquila aqui. No começo teve o lance da adaptação, mas hoje estou completamente à vontade, tudo tranquilo. Além disso, com os torcedores tudo é ótimo, eles são muito carinhosos aqui, reconhecem muito.

Em agosto, o Cruzeiro tentou contratação de Ricardo Goulart. A Raposa ofereceu cerca de € 15 milhões pelo jogador, mas o clube chinês não aceitou a proposta, já que multa rescisória é de € 50 milhões. Ele também já teve o seu nome falado no Palmeiras, mas deixou claro que não se envolve com as negociações.

– Como eu falei, acompanho mesmo pela imprensa. Tenho o carinho de alguns torcedores, que vão nas minhas redes sociais prestar apoio e manifestam o desejo da minha contratação. Estou feliz no momento, tenho contrato e procuro sempre ficar fora de qualquer especulação.

Aos 27 anos, Ricardo Goulart já defendeu Santo André, Internacional, Goiás e Cruzeiro antes de assinar com o Guangzhou Evergrande. No seu currículo, ele tem os títulos do Campeonato Gaúcho (2011), Recopa Sul-Americana (2011), Campeonato Goiano (2012), Série B do Campeonato Brasileiro (2012), Campeonato Brasileiro (2013 e 2014), Campeonato Mineiro (2014), Campeonato Chinês (2015, 2016 e 2017), Liga dos Campeões da Ásia (2015), Copa da China (2016) e a Supercopa da China (2016 e 2017).

Leia mais:
– Há 40 anos, Ali levava título e vencia Super-Homem
– Morumbi receberá reformas para a Copa América
– O país que tenta ressurgir após ‘sumir do mapa’

Leia também