Com apenas uma vitória no returno, campanha do Botafogo tem números inferiores aos rebaixamentos do clube

LANCE!
·3 minuto de leitura


No último domingo, o Botafogo fechou 2020 com mais uma derrota em seu estádio pelo Campeonato Brasileiro e segue seu calvário na luta para sair da zona de rebaixamento. Com apenas uma vitória no returno, o time soma 23 pontos em 27 partidas disputadas e tem números inferiores às campanhas de 2002 e 2014, anos em que o Glorioso amargou duas quedas para a segunda divisão.

+Confira a retrospectiva do Botafogo no década

Em 2002, o regulamento do Campeonato Brasileiro era outro, com apenas um turno e o sistema de mata-mata entre os oito melhores classificados. Sendo assim, disputaram esta edição 26 equipes, e cada uma delas tinha 25 jogos na primeira fase. Apesar disso, o Botafogo, que terminou na lanterna, ficou com 25 pontos (seis vitórias, sete empates e doze derrotas), e 33% de aproveitamento, números superiores à atual campanha.

+Confira e simule a classificação do Campeonato Brasileiro

Doze anos depois, o time de General Severiano figurava na lanterna da competição na 27ª rodada. Dessa vez com 26 pontos, em uma campanha de sete vitórias, cinco empates e quinze derrotas, com 32% de aproveitamento (terminou com 29%). Ou seja, uma pontuação maior e com mais vitórias que a atual fase do time em 2020. Nesta edição, o time tem apenas 4 vitórias, assim como onze empates, doze derrotas e 28% de aproveitamento, que pesam na conta contra mais um iminente rebaixamento.

+Confira a retrospectiva do Botafogo em 2020 em 12 imagens

Um fato curioso é que ambas as campanhas não são as piores da história do Botafogo em Campeonatos Brasileiros. A Taça Brasil de 1963 com 25% e os números de 1993 (21%) são ainda inferiores. No entanto, o time de Garrincha, lesionado na época, só entrou em campo em dois jogos, na semifinal do torneio diante do Bahia, o que suaviza o baixo aproveitamento. Já em 93, o Alvinegro teve uma fraca campanha na competição nacional, no mesmo ano em que o clube erguia o troféu da Copa Conmebol.

Restam apenas onze jogos, e o técnico Eduardo Barroca necessita recuperar o grupo psicologicamente e tentar subir de produção na base da vontade e da entrega total. Apesar das limitações de um elenco desequilibrado, matematicamente, ainda é possível salvar o Botafogo, porém o tempo não joga a favor do time carioca, que precisa de um verdadeiro milagre e uma série de vitórias até o fim da competição.

Com a pandemia, a atual edição do Brasileirão chegará à sua reta final no início de 2021, com o término marcado para o mês de fevereiro. Pela frente, o Glorioso terá alguns confrontos diretos, aqueles famosos jogos de seis pontos. Até o final, o time enfrentará Athletico-PR, Vasco, Sport, Atlético-GO, Goiás e Ceará, todos da parte de baixo da tabela.

Por outro lado, o Alvinegro terá jogos contra equipes que almejam uma vaga na próxima edição da Copa Libertadores ou ainda brigam pelo título como: Palmeiras, Fluminense, Grêmio, Santos e São Paulo. Dessa forma, Barroca corre contra o tempo e tenta corrigir os erros e dar sequência ao trabalho. No returno, o time só venceu uma partida (12,50 % de aproveitamento), contra o Coritiba, lanterna da competição, e único time à frente do Botafogo na classificação.

- Vou continuar buscando todas as alternativas, confio muito na equipe, entendo que a situação é adversa, mas temos que continuar com trabalho, confiança, correções e assumindo as reponsabilidades. Nosso intuito era pressionar o Corinthians, criar mais oportunidades, infelizmente não conseguimos. Vamos aproveitar o que esse jogo vai nos dar de aprendizado para a próxima partida - disse Barroca após a derrota para o Corinthians, no estádio Nilton Santos.