Com 64 infectados, STF não tem data para voltar aos trabalhos

·1 minuto de leitura
Brazilian Supreme Court judges Gilmar Mendes (R) and Dias Toffoli talk during a session to rule on whether former president Luiz Inacio Lula da Silva should start a 12 year prison sentence for corruption, potentially upending this year's presidential election, at the Supreme Court in Brasilia, on April 4, 2018.  Tension soared in Latin America's largest country ahead of the court showdown, with both backers and opponents of Lula -currently the heavy favorite for the October polls- warning of a threat to democracy. / AFP PHOTO / EVARISTO SA        (Photo credit should read EVARISTO SA/AFP/Getty Images)
Presidente da corte, Dias Toffoli, e o ministro Gilmar Mendes (Foto: Evaristo Sá/AFP/Getty Images)

O Supremo Tribunal Federal tem 64 casos de coronavírus entre funcionário e prestadores de serviços. O número assusta os a corte, mesmo que, ao todo, sejam mais de 1.137 trabalhadores. As informações são da coluna da jornalista Mônica Bergamo, da Folha de S. Paulo.

Os funcionários infectados não conviviam diariamente, por isso, não há suspeita de transmissão interna. Todos os diagnosticados com a Covid-19 foram afastados e só podem voltar a trabalhar depois que tiverem o exame negativo.

Com medo de mais infecções, o STF não sabe quando voltará aos trabalhos. Dessa forma, alguns julgamentos ficam sem data prevista, como é o caso da suspeição do juiz Sergio Moro na condenação de Lula, no caso do tríplex no Guarujá.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

O relator, ministro Gilmar Mendes, pretende esperar as sessões presenciais para levar o caso para que a Segunda Turma o analise.