Coluna: Grêmio sonda Lucas Lima; Timão negocia com jogador do interior; atletas do Linense foram contra Morumbi...

Jorge Nicola
Meia prometeu à diretoria santista que não jogará em um rival brasileiro (Djalma Vassão/Gazeta Press)

A nove meses do fim do contrato, Lucas Lima foi procurado recentemente pelo Grêmio. No contato, realizado com um representante do meia, os gaúchos quiseram descobrir quanto o santista desejaria receber para mudar de clube. A notícia da sondagem chegou aos ouvidos do presidente Modesto Roma Júnior, que não gostou. Tudo porque o Peixe tenta renovar o contrato de Lucas Lima há mais de um ano e sempre escuta “não”.

Ao menos, o interesse gremista garantiu uma boa notícia ao torcedor santista: Lucas Lima e seu estafe asseguraram que ele não defenderá outro clube brasileiro assim que deixar a Vila Belmiro.

Não à toa, Lucas Lima afirmou em entrevista recente que tem a intenção de ficar no Santos pelo menos até a Copa do Mundo da Rússia, marcada para a metade do ano que vem. Porém, essa chance é pequena. A partir de julho, ele estará livre para assinar pré-contrato com qualquer interessado e a tendência é de que se transfira para a Europa.

Garimpando…
O Corinthians está negociando com um jogador que se destacou no Paulistão por um time pequeno. O nome do atleta e sua posição são mantidos em sigilo, mas as conversas avançaram nas últimas horas.

…no interior
Apesar da negociação, os olheiros do Timão se mostraram decepcionados com o desempenho dos times pequenos. “Em outros anos, a gente sempre tinha pelo menos quatro atletas que interessavam. Agora, só há um”, explica.

Do contra:
Os jogadores do Linense reprovaram a decisão da diretoria de disputar a partida como mandante contra o São Paulo no Morumbi. O comunicado ao elenco foi feito nesta quarta-feira, mais de 24 horas antes do anúncio definitivo. Até o Pacaembu foi sugerido pelo grupo.

Questão financeira:
A diretoria do Linense justificou a inversão de mando à possibilidade de embolsar mais dinheiro. Nos cinco jogos em que atuou em Lins neste Paulistão, o clube faturou só R$ 16 mil. Na única vez que saiu de casa, contra o Palmeiras, em Araraquara, embolsou R$ 320 mil.

Ocupação alviverde:
Dono do ticket médio mais caro do Brasil (R$ 59), o Palmeiras também é o o clube no país que tem a maior ocupação do estádio: 64%. O resultado destes dois números combinados: R$ 11,8 milhões de renda bruta em sete jogos no Paulistão.

Briga pela média:
O Palmeiras só não lidera a média de público do Brasil em 2017. O Verdão tem 28.319 pagantes por partida como média, contra 29.782 do São Paulo.

Projeto adiado:
Apenas 42 os 383 conselheiros da Portuguesa estiveram na reunião da última terça-feira, no Canindé. Desta maneira, a aprovação da venda de parte do terreno do Canindé não pôde ser votada – seriam necessários pelo menos 50 presentes.

Para acessar outras notícias do Blog do Jorge Nicola, clique aqui: