COI rejeita pedido para excluir membros de Rússia e Belarus

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
(LtoR) Russia's Dina Averina (silver), Israel's Linoy Ashram (gold) and Belarus' Alina Harnasko (bronze) pose during the medal ceremony of the individual all-around final of the Rhythmic Gymnastics event during Tokyo 2020 Olympic Games at Ariake Gymnastics centre in Tokyo, on August 7, 2021. (Photo by Lionel BONAVENTURE / AFP) (Photo by LIONEL BONAVENTURE/AFP via Getty Images)
Apesar de pedido da Suíça, COI nega exclusão membros de países envolvidos no ataque militar contra a Ucrânia. Foto: (LIONEL BONAVENTURE/AFP via Getty Images)

Foi informado pelo COI (Comitê Olímpico Internacional) nesta segunda-feira que a solicitação do Governo da Suíça, para que membros da Assembleia da entidade que tivessem origens da Rússia ou de Belarus fossem excluídos, foi recusada com a justificativa de que as pessoas são eleitas por suas habilidades e qualidades pessoais e não por suas nacionalidades.

O pedido foi feito pela Ministra da Defesa, da Proteção da População e do Esporte da Suíça, que escreveu uma carta endereçada à cúpula do COI, pedindo a suspensão dos membros da entidade máxima dos esportes olímpicos que tivessem nacionalidade russa ou bielorusso.

Leia também:

São membros do COI, eleitos, Shamil Tarpishchev e Yelena Isinbayeva, de nacionalidade russa, e também os membros honorários Vitaly Smirnov e Alexander Popov, também nascidos na Rússia.

Depois do primeiro ataque militar promovido pelo governo de Vladimir Putin contra a Ucrânia, o Comitê Olímpico Internacional solicitou que as federações esportivas não permitissem que atletas oriundos da Rússia e de Belarus participassem das competições organizadas, sendo liberada, apenas, a participação como atletas neutros, sem que representassem as bandeiras de seus países.

COI x Rússia não é de hoje

O presidente do Comitê Olímpico Internacional, Thomas Bach, criticou "a tremenda frieza" em relação à patinadora artística russa Kamila Valieva, acusada de doping, por sua equipe durante sua atuação durante os Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim 2022. A jovem não conseguiu repetir a atuação da prova por equipes e terminou a disputa sem medalha.

Bach disse que se sentiu "muito perturbado" ao ver a participação de Valieva, que aconteceu em uma "atmosfera fria" causada pela "frieza" e até "gestos de reprovação" da jovem equipe russa.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos