COI proíbe que equipes de redes sociais postem protestos de atletas durante a Olimpíada

·2 minuto de leitura
Jogadoras de Grã-Bretanha e Chile ajoelharam-se na estreia do futebol feminino em Tóquio (Masashi Hara/Getty Images)
Jogadoras de Grã-Bretanha e Chile ajoelharam-se na estreia do futebol feminino em Tóquio (Masashi Hara/Getty Images)

O Comitê Olímpico Internacional (COI) proibiu as equipes de redes sociais oficiais dos Jogos de Tóquio de postarem imagens ou vídeos de atletas se ajoelhando como forma de protesto durante a Olimpíada. As informações foram divulgadas pelo jornal inglês The Guardian.

Segundo a publicação, os profissionais receberam as instruções na última terça-feira. O ato de ajoelhar-se como protesto, especialmente contra o racismo, tornou-se comum em eventos esportivos nos últimos anos, mas o COI, aparentemente, não quer divulgar tal prática.

Leia também:

A orientação para as equipes de redes sociais tinha como referência específica o time da Grã-Bretanha de futebol feminino, que estreou nesta quarta-feira diante do Chile.

Esta forma de protesto tem sido frequentemente adotada por atletas britânicos e esperava-se que as jogadoras do país também ajoelhassem antes do início da partida de estreia pela Olimpíada, o que de fato aconteceu. O gesto foi praticado também pelas chilenas.

O protesto foi registrado pelas câmeras de televisão e transmitido para centenas de países ao redor do mundo. Porém, não foi publicado pelas contas oficiais dos Jogos de Tóquio no Twitter, Instagram e Facebook.

Questionado sobre o ato das jogadoras britânicas e chilenas em coletiva de imprensa nesta quarta-feira, o presidente do COI, Thomas Bach, limitou-se a comentar: “É permitido”.

“Como jogadoras na Grã-Bretanha, estamos ajoelhando nas partidas e sentimos, como um grupo, a necessidade de mostrar apoio àqueles afetados pela discriminação e desigualdade. Foi um momento de orgulho, porque as jogadoras do Chile também se uniram a nós”, declarou a jogadora da seleção britânica Steph Houghton.

Protesto tornou-se comum nos últimos anos, especialmente entre atletas britânicos (Matteo Ciambelli/DeFodi Images via Getty Images)
Protesto tornou-se comum nos últimos anos, especialmente entre atletas britânicos (Matteo Ciambelli/DeFodi Images via Getty Images)

Chefe da delegação da Grã-Bretanha, Mark England declarou que o elenco de jogadoras estava “enojado” pelo abuso racial sofrido por atletas da seleção masculina após a derrota nos pênaltis na decisão da última Eurocopa para a Itália.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos