COB completa 106 anos e organiza série de lives e podcasts com grandes nomes do esporte olímpico


Nesta segunda, o Comitê Olímpico do Brasil (COB) completa 106 anos e pretende se aproximar ainda mais dos apaixonados pelo esporte olímpico. Em meio ao isolamento social causado pelo pandemia de coronavírus, a entidade lança uma série de lives e podcasts com grandes nomes do mundo esportivo para debater temas relevantes no atual cenário mundial.

A transmissão será realizada, ao vivo, nas páginas oficiais do Time Brasil no Facebook e no YouTube. Atualmente, a entidade possui mais de dois milhões de seguidores nessas redes. Além disso, esses debates se transformarão em podcasts, que ficarão disponíveis para serem acompanhados pelas principais plataformas de áudio. Segundo o planejamento do COB, toda semana será disponibilizado um novo episódio.

Dessa forma, o projeto estreia nesta segunda, às 19h, com uma mesa-redonda intitulada “Desafios da gestão no novo cenário esportivo”, que contará com Paulo Wanderley, presidente do COB, Mizael Conrado, presidente Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB), Andrew Parsons, presidente do Comitê Paralímpico Internacional (CPI) e Bernard Rajzman, representante do Brasil no Comitê Olímpico Internacional (COI). A mediação do debate ficará por conta do experiente Marcelo Barreto, jornalista e apresentador do SporTV e da rádio Globo e autor do Almanaque Olímpico, ao lado de Armando Freitas.

- O Comitê Olímpico do Brasil conta com grandes profissionais, atletas de ponta e tem a capacidade de trazer para o debate pessoas com muito conteúdo relevante para compartilhar. Já atingimos um público muito importante com lives que têm como tema principal a prática esportiva e isso é muito importante nesse momento. Mas também queremos falar sobre outros assuntos que perpassam o esporte e que despertam o interesse da sociedade. Vamos aproveitar esse período em que a maioria das pessoas está procurando usar o tempo livre para se qualificar, para ter novos aprendizados, para sermos ainda mais protagonistas na divulgação dos valores olímpicos - disse Paulo Wanderley Teixeira, presidente do COB.

Neste sentido, o projeto visa fortalecer atuação do Comitê nas redes sociais, sobretudo durante o período de quarentena. Antes do isolamento social, o Time Brasil realizava duas lives por semana, uma com o “Giro Olímpico”, com informações acerca do desempenho dos atletas brasileiros e outra com a rotina de treinos das diversas modalidades.

Desde meados de março, o COB tem feito lives com duas pessoas. Diversos atletas e profissionais já participaram e elas serão mantidas uma vez por semana. O Time Brasil também iniciou o projeto de uma live por semana com um atleta do esporte olímpico e um do paralímpico, na parceria entre as entidades (COB e CPB.).

O COB também lançou campanhas digitais com as hashtags #UmUnicoTime e #TimeBrasilEmCasa, como movimento de conscientização dos protocolos de prevenção ao novo coronavírus e de apoio aos profissionais que estão na linha de frente do combate à COVID-19. Além do #VencendoJuntos, que pretende arrecadar R$10 milhões m cestas básicas para doar para 33 mil famílias em situação de vulnerabilidade social.

- O COB está constantemente procurando aprimorar o seu trabalho nas mais diversas frentes. O público vai ter a oportunidade de absorver o conhecimento de profissionais muito qualificados que atuam na linha de frente do esporte e com os exemplos e histórias de grandes personagens. É um jogo onde todo mundo sai ganhando - salientou Manoela Penna, diretora de Comunicação e Marketing do COB.

Ao longo da história centenária do primeiro Comitê Olímpico Nacional da América do Sul, foram 129 medalhas (30 de ouro, 36 de prata, 63 de bronze) em Jogos Olímpicos e mais de 1300 em Jogos Pan-americanos. A lista tende a crescer na próxima Olimpíada, que será realizada em Tóquio, e foi adiada para 2021 por causa da doença.

- Desde a primeira participação olímpica brasileira em Antuérpia 1920, quando o Brasil conquistou suas primeiras medalhas, até a nossa melhor participação em Jogos Olímpicos, no Rio, em 2016, com as 19 medalhas conquistadas, o COB se mantém trabalhando firmemente em seu objetivo final, que é proporcionar ao atleta as melhores condições possíveis. Um trabalho intenso que está sendo realizado baseado no trinômio austeridade, transparência e meritocracia - realtou o presidente do COB, Paulo Wanderley.


















Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Leia também