Clubes preparam eleições com voto online e boca de urna proibida

LUCIANO TRINDADE
·5 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Corinthians, Santos e São Paulo elegerão seus novos presidentes no fim de novembro e início de dezembro, em pleitos que serão marcados por uma série de mudanças impostas pela pandemia de Covid-19. As alterações ocorrerão em itens mais simples, como a adoção de medidas de distanciamento social nos locais de votação, uso de máscaras e álcool em gel, até a proibição da prática de boca de urna e a implementação do voto a distância. Com cerca de 25 mil associados aptos a votar, o Santos será pioneiro entre os times paulistas ao promover um pleito com votação online como alternativa à presencial, prevista para o dia 12 de dezembro. Segundo Marcelo Teixeira, presidente do conselho deliberativo, esse modelo era discutido na Vila Belmiro há alguns anos e ganhou força agora por causa da pandemia. "Além de facilitar [a presença] para quem tenha deficiência ou alguma impossibilidade de comparecimento, também democratiza para os associados de todo o país e de fora do Brasil", disse Teixeira. Ex-presidente do clube em dois mandatos, ele estima que de 35% a 40% dos associados santistas residem fora da Baixada. Para realizar a eleição nesse formato, o clube gastará R$ 35 mil na contratação de duas empresas. A Infolog será responsável por instalar e operar o sistema de voto virtual, e a Security Labs fará a auditoria para garantir a segurança digital. Inter e Grêmio, por exemplo, já adotam o voto online como possibilidade há alguns anos, e o clube colorado usará o modelo de forma exclusiva em 2020. O Vasco ainda vive uma disputa sobre o tema. O presidente da Assembleia Geral do clube, Faues Cherene Jassus, convocou pleito 100% online, mas o presidente da agremiação, Alexandre Campello, fez outra convocação para eleição presencial. No Santos, além do voto pela internet, a Vila Belmiro e um local em São Paulo, ainda a ser definido pelo clube, serão as opções para votação presencial, ambos seguindo as normas sanitárias de prevenção à Covid-19. "Normalmente, nós fazíamos a votação somente no ginásio. Mas agora estamos estudando ampliar os locais e usar, inclusive, o gramado da Vila para colocar urnas e garantir maior distanciamento entre as pessoas", afirmou o presidente do conselho. Até o momento, o Santos tem oito pré-candidatos à presidência: Milton Teixeira Filho, Daniel Curi, Rodrigo Marino, Esmeraldo Tarquínio, Ricardo Agostinho, Fernando Silva, Vágner Lombardi e Andrés Rueda. Em setembro, o então mandatário José Carlos Peres foi afastado pelo conselho deliberativo após relatório da comissão de inquérito e sindicância indicar irregularidades nas contas de 2019. Orlando Rollo, vice de Peres e rachado politicamente com ele, assumiu o comando. No Corinthians, três candidatos disputam a cadeira ocupada por Andrés Sanchez desde fevereiro de 2018. Duílio Monteiro Alves, ex-diretor de futebol e indicado pelo atual mandatário, o ex-presidente do clube Mário Gobbi Filho e o empresário Augusto Melo concorrerão no pleito marcado para 28 de novembro. A votação está prevista para o ginásio do Parque São Jorge, onde a comissão eleitoral entende ser possível ter distanciamento social. Segundo o presidente da comissão, Romeu Tuma Junior, houve conversas para ter a opção de votos pela internet, mas não foi possível levar a ideia adiante. "Teríamos de fazer uma mudança estatutária para isso e, certamente, não valeria nesta eleição." O Corinthians, com 11 mil conselheiros aptos a votar, costuma ter um quórum de um terço do total. Em 2018, 3.642 passaram pelas urnas alvinegras. A expectativa de Tuma é que a pandemia possa reduzir esse número. A comissão orienta que votantes idosos ou com alguma deficiência dirijam-se ao Parque São Jorge acompanhados de, no máximo, uma pessoa, para evitar aglomerações. Os demais devem ir ao local sozinho. Todos terão de permanecer no clube somente o tempo necessário para votar. Diferentemente de eleições anteriores, não será permitido campanha de boca de urna no dia da votação, tanto nas dependências como nas imediações do Parque São Jorge. "Os candidatos estão concentrando a campanha pelo WhatsApp e redes sociais, além dos encontros no Parque São Jorge", diz Tuma. "Esses encontros só não poderão ocorrer lá no dia da eleição." Devido à realização das eleições municipais em todo o país, o clube não conseguiu a concessão de urnas eletrônicas junto ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral). O voto para eleger o novo presidente alvinegro será em cédula de papel, e a recomendação é que cada conselheiro leve sua própria caneta. No dia da eleição, não serão realizadas atividades esportivas e sociais no Parque São Jorge. Além disso, não será permitido a presença de torcedores no local durante a apuração, que será acompanhada apenas pelos candidatos e um representante de cada chapa. Em 2018, quando voltou à presidência, Andrés Sanchez precisou se esconder dentro do banheiro feminino da sede do clube, sob ameaças de torcedores organizados inconformados com o resultado da eleição. No São Paulo, clube no qual Roberto Natel e Julio Casares vão disputar o cargo atualmente ocupado por Carlos Augusto de Barros, o Leco, a eleição ainda não tem data definida, mas está prevista para a primeira quinzena de dezembro. O pleito será realizado no Morumbi. Até o momento, o clube ainda não definiu quais serão os protocolos sanitários. Em nota, informou que vai adotar medidas semelhantes às que serão realizadas durante as eleições municipais em todo o país, como uso de máscaras, distanciamento social e disponibilidade de álcool em gel nos locais de votação. Também não está descartada a possibilidade de voto virtual. O formato da votação será definido em assembleia, ainda sem data para ocorrer. Enquanto Corinthians, Santos e São Paulo vivem período eleitoral, a próxima eleição no Palmeiras está prevista para ocorrer no segundo semestre de 2021, quando será eleito o (a) presidente para o triênio 2022-2024. * ELEIÇÕES NOS CLUBES PAULISTAS Corinthians - Elege em 28 de novembro presidente para o triênio 2021-2023, além de 200 conselheiros trienais e 50 suplentes. Cerca de 11 mil conselheiros estão aptos a participar da votação direta. Santos - Elege em 12 de dezembro presidente e 150 conselheiros para o triênio 2021-2023. Cerca de 25 mil sócios poderão participar da eleição direta. São Paulo - Elege no fim de novembro 100 novos conselheiros, que vão se juntar aos 160 vitalícios. Os 260 conselheiros escolherão o novo presidente em dezembro para o triênio 2021-2023.