Clubes europeus entram em acordo com Uefa e renunciam a Superliga

O presidente da Associação Europeia de Clubes (ECA), Karl-Heinz Rummenigge, declarou, nesta terça-feira, que as equipes entraram em acordo com a Uefa para enterrar a ideia de criar uma Superliga fechada

O presidente da Associação Europeia de Clubes (ECA), Karl-Heinz Rummenigge, declarou, nesta terça-feira, que as equipes entraram em acordo com a Uefa para enterrar a ideia de criar uma Superliga fechada.

"Acho que estamos completamente de acordo com a reforma da Liga dos Campeões e da Liga Europa no ciclo 2018-2021", declarou Rummenigge. O também mandatário do Bayern de Munique se manifestou após reunião em Atenas com Giorgio Marchetti, diretor de competições da Uefa.

"A mudança é boa para nós, estamos felizes de continuar sob a proteção da Uefa. Por consequência, não haverão conversas sobre a Superliga", acrescentou próximo ao encontro de 155 representantes de clubes do continente para conversas sobre as competições europeias.

"É uma decisão justa e séria, que mostra a solidariedade dos clubes europeus. A reforma vai tornar a Liga dos Campeões mais atrativa do que nunca", acrescentou Rummenigge, precisando que o projeto vai beneficiar a todos os clubes e "sobretudo os times de médio escalão".

Marchetti tinha negado, na quinta-feira (23), a ideia de uma Superliga europeia com 20 clubes, mas reconheceu que o formato da Campions poderia mudar.

A reforma do torneio foi adotada em dezembro de 2016 pelo comitê executivo da Uefa e vai entrar em vigor na temporada 2018-2019. Uma das novidades é a reserva de quatro vagas diretas de classificação para os quatro campeonatos com melhor índice Uefa.