Clubes contrariam posicionamento de ministro e repudiam data que "celebra" golpe militar no Brasil

Fabio Utz
·1 minuto de leitura

31 de março de 1964. Uma sucessão de eventos ocorridos nesta data culminaram no golpe que instaurou a ditadura militar no Brasil. Enquanto o novo ministro da Defesa do país, Walter Braga Netto - general da reserva -, diz que o movimento precisa ser compreendido e celebrado, clubes de futebol se posicionam radicalmente contra.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Nesta terça-feira, o Corinthians se utilizou da conhecida Democracia Corintiana, liderada pelo próprio grupo de atletas, para defender os ideais de liberdade. "Nossa história é a nossa opinião", escreveu, sem esquecer de utilizar a hashtag #DemocraciaSempre.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

O Vasco da Gama também foi enfático em seu posicionamento. "Jamais esquecer... Que as lindas linhas do que escreveu o saudoso poeta vascaíno Aldir Blanc não sejam mais urgentes, mas só lembranças que nos recordem que a democracia deve ser sempre a nossa verdade e nunca mais uma esperança equilibrista", destacou. A ditadura no Brasil durou 21 anos, e se desfez apenas em 1985.

Quer saber como se prevenir do coronavírus? #FiqueEmCasa e clique ​aqui.