Clube de LaLiga entra em greve por redução salarial na pandemia

Goal.com

A pandemia do novo coronavírus criou uma série de dúvidas e debates no futebol mundial, com a suspensão das principais ligas do planeta e problemas financeiros até para as equipes mais ricas do mundo. E com a crise, uma das principais questões está sendo a redução salarial dos atletas que os clubes estão adotando. 

E na Espanha, os clubes já estão liberados para treinar. Mas o Elche, do brasileiro Jonathas, que foi um dos primeiros jogadores a contrair a Covid-19, entrou em greve contra os cortes de salários. Os atletas do clube espanhol não se apresentaram ao treino programado para acontecer nesta quarta-feira (13) para marcar o início do protesto. 

Juan José Rojo Martín, técnico da equipe, transmitiu a opinião de seus jogadores a diretoria do clube comunicando que os atletas não apareceriam para treinar. Além dos jogadores, a greve também foi aderida pelos membros da comissão técnica contra a redução de 70% dos salários adotada pelo clube.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Patricia Rodriguez, diretora geral do Elche, afirmou que as conversas foram mantidas com a equipe mas não houve acordo. As negociações iniciais previam cortes de 12% para os jogadores do elenco e 20% para os demais funcionários do clube.

Porém, após o período sem acordo, uma redução de 70% foi adotada por meio do ERTE, mecanismo do Arquivo de Regulamentação de Emprego Temporário que visa suspender contratos ou reduzir jornadas de trabalho em causas temporárias de força maior. 

O Elche aguarda a validação do ERTE apresentado para que apenas 30% da jornada de trabalho seja cumprida. 

“Apesar de irem ao estádio [para treinar], eles se exercitariam por 45 minutos, ou seja, 30% contemplado”, afirmou Patricia no El Partidazo de Cope.

A redução salarial também está causando polêmicas no Brasil. Nesta terça-feira (12), o Santos também anunciou uma redução de 70% nos vencimentos não acordada com os atletas. 

Leia também