Climão: jogadores da Bélgica bancam próprias passagens de volta do Catar para não viajar com delegação, diz jornal

A promissora geração belga se despediu da Copa do Mundo do Catar na quinta-feira, depois de empatar com a Croácia e ser eliminada. E a viagem à Bélgica, que contou com voo para a delegação, voltou "desfalcado": contava-se com 12 atletas e o técnico demitido Roberto Martínez, mas cinco jogadores chegaram antes ao país, porque pagaram por passagens em voo separado; Coutois e De Bruyne, protagonistas da crise no vestiário, também não estiveram no voo oficial.

As informações são do jornal belga Het Laatste Nieuws, que informou que Witsel, Meunier, Doku, Theate e Openda desembarcaram em Bruxelas ainda na noite de sexta-feira, enquanto a delegação — que voltou "desfalcada" após a eliminação — chegou na madrugada de sábado ao Aeroporto de Zaventem (também conhecido como Aeroporto de Zaventem-Bruxelas), cidade vizinha da capital belga.

No voo oficial, viajaram Mertens, Onana, Debast, Faes, Alderweireld, Castells, Carrasco e o agora ex-técnico Roberto Martínez. As estrelas da seleção, ainda de acordo com o periódico belga, também bancaram os próprios voos: nomes como o goleiro Courtois e do meia Kevin De Bruyne.

Estes dois são personagens de crises internas recentes. De Bruyne, por exemplo, teria se desentendido com o zagueiro Jan Vertonghen nos vestiários, sendo os dois contidos pelo atacante Romelu Lukaku.

Esse seria apenas um dos problemas de relacionamento do time comandado por Roberto Martínez. De acordo com o L’Équipe, parte do clima pesado em campo é reflexo de desentendimentos pessoais entre os atletas, como de Kevin De Bruyne também com o goleiro Thibaut Courtois, que “não se falam há anos por motivos particulares”.

Segundo a imprensa britânica, De Bruyne seria um dos jogadores responsáveis pelo “racha” na delegação, uma vez que não teria boas relações com os demais jogadores. Um dos episódios citados mostra uma imagem do time reunido do meio de campo antes da partida contra os marroquinos, em que De Bruyne, diferentemente dos demais, não abraça os jogadores ao lado.

De acordo com o periódico, há outros problemas de relacionamento entre jogadores. O atacante Michy Batshuayi não teria bom relacionamento com seu concorrente de posição Romelu Lukaku. Capitão dos belgas, o meia Eden Hazard não falaria com o atacante Leandro Trossard.

Na terça-feira, Hazard e Courtois vieram a público negar os rumores de problemas de relacionamento entre os atletas. Mas o goleiro e De Bruyne já viveram um episódio traumático em 2014, que envolveu duas traições.

Na época, o meia atuava no Wolfsburg (Alemanha) e namorava Caroline Lijnen. Mas o relacionamento dos dois entrou em crise após De Bruyne traí-la com sua melhor amiga. O que acabou levando ao envolvimento com Courtois, colega de seleção (e por um breve momento, de Chelsea). O relato foi da própria Lijnen, em 2014, em entrevista à revista belga "Story", que cobre o mundo dos famosos.

— No verão de 2012, Kevin me disse que ficou com minha melhor amiga. Eu dei a ele uma escolha: ou ela ou eu. Estava pronta pra dar outra chance, mas nosso relacionamento nunca mais foi o mesmo — disse ela, na época com 21 anos.