Clássico rende elogios e dá estabilidade para Baptista no Palmeiras

DANILO LAVIERI E JOSÉ EDUARDO MARTINS

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) - A vitória por 3 a 0 em cima do São Paulo era o que Eduardo Baptista precisava para ganhar ainda mais segurança no cargo de treinador do Palmeiras.

A demora para o time ganhar um "jogo grande" começava a fazer a torcida dar sinais de impaciência com o comandante. Um bom exemplo é que o nome de Cuca já chegou a ser gritado no estádio. Não à toa, na semana passada, o presidente Maurício Galiotte veio a público para "prestigiar" seu treinador.

Após o clássico, Baptista foi muito elogiado pela postura tática e recebeu elogios de todos os jogadores, que querem fazer o clima de paz predominar na Academia de Futebol. Após o jogo, até o diretor Alexandre Mattos elogiou o treinador.

"O mais importante, além do resultado, é a maneira que o Palmeiras se portou. O Palmeiras já tinha ido bem contra o Tucumán, embora não tivesse vencido. E agora estamos melhorando. É importante o time continuar sempre evoluindo", analisou o treinador.

Dudu, capitão e dono de um golaço por cobertura, foi outro que fez coro para apoiar o comandante.

"A gente jogou muito bem, mesmo com alguns jogadores reservas. Nós dedicamos toda a nossa vontade ao que o Eduardo pediu e fizemos um grande resultado e um grande jogo", completou.

Outro que não deixou a oportunidade de apoiar o treinador passar foi Tchê Tchê, que também fez um gol após ficar quase um mês fora.

"A gente está em uma crescente. As pessoas ficam criticando a gente porque quer que a gente jogue todas as partidas de forma brilhante, mas a gente está muito bem", finalizou.

A vitória por 3 a 0 serve não só para dar calma para Eduardo Baptista, mas também para embalar a equipe na importante semana que ainda tem o confronto com o Jorge Wilstermann pela Libertadores, na quarta-feira, novamente no Allianz Parque.