City fora das próximas Ligas dos Campeões: UEFA anuncia punição por irregularidade no Fair Play Financeiro

Goal.com
De acordo com a decisão, o clube violou o regulamento financeiro da entidade e seria punido com dois anos de exclusão
De acordo com a decisão, o clube violou o regulamento financeiro da entidade e seria punido com dois anos de exclusão

Nesta sexta-feira (14), em reunião extraordinária, a Uefa decidiu banir o Manchester City de competições europeias pelos próximos dois anos, por irregularidades cometidas pelo clube em relação ao Fair Play Financeiro. Além da punição, os ingleses ainda terão que pagar uma multa de 30 milhões de euros.

Isso significa que, pelas próximas duas temporadas (2020/21 e 2021/22), o Manchester City não poderá participar da Liga dos Campeões da Uefa, abrindo sua possível vaga para outras equipes inglesas.

De acordo com a decisão da entidade, de 2012 a 2016, o clube teria superestimado as receitas de patrocínio em seu balanço, a fim de burlar as regras do Fair Play Financeiro. Além, o comitê de investigação também alegou que o Manchester City não cooperou nas investigações.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

O clube ainda tem direito de recorrer da decisão, em uma nova audiência.

Caso a decisão se confirme, o City, atual segundo colocado da Premier League, perderia sua vaga na Liga dos Campeões. Se o campeonato acabasse agora, o atual quinto lugar, Sheffield United, seria o beneficiado. 

Em resposta às alegações, o clube divulgou um comunicado. Confira:

"O Manchester City está desapontado com o anúncio feito hoje pela Uefa.

O clube sempre salientou a necessidade de ser escolhido um órgão independente que pudesse considerar, de forma imparcial, as evidências irrefutáveis que dão razão ao Manchester City no caso.

Em dezembro de 2018, o chefe de investigação da Uefa previu de maneira pública o resultado do julgamento, além das sanções que ele queria aplicar sobre o Manchester City, antes mesmo que as investigações fossem iniciadas.

O processo seguinte, constantemente vazado e com diversas falhas, mostrou que havia poucas dúvidas no resultado final.

O clube reclamou formalmente com o Comitê Disciplinar da Uefa, em uma reclamação que foi referendada pela Corte Arbitral do Esporte.

De maneira simples, esse foi um caso iniciado pela Uefa, processado pela Uefa e julgado pela Uefa.

Agora, com o fim desse processo prejudicial, o clube irá buscar um julgamento imparcial o mais rápido possível e, assim, irá recorrer da decisão na Corte Arbitral do Esporte assim que possível."

Leia também