'Circo' criado por Piqué disputa atenção de jovens e irrita a La Liga

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O jogo entre Barcelona e Getafe, no Camp Nou, pela 18ª rodada do Campeonato Espanhol, ainda nem havia terminado na tarde de domingo (22) quando a bola também começou a rolar na Cupra Arena, a cerca de 10 km do estádio do time catalão.

Por lá, não havia arquibancadas lotadas, como o público de 79.814 pessoas que viram Pedri marcar o gol da vitória da equipe azul e grená por 1 a 0, resultado que a manteve na liderança da tabela.

Apenas convidados e profissionais de imprensa estiveram na arena próxima ao porto de Barcelona para acompanhar os jogos da quarta rodada da Kings League, uma espécie de torneio de futebol de sete, com elementos de outros esportes e regras semelhantes a um game show de televisão, disputado por atletas, ex-jogadores e influencers.

"É um formato novo, muito fresco, em contínua mudança e com regras especiais, de esportes diferentes", diz à reportagem o atacante Alberto Bueno, 34, que veste a camisa do 1K FC, nome em referência ao presidente do time, o ex-goleiro espanhol Iker Casillas.

Bueno também é jogador profissional. Acumula passagens por clubes da Espanha, Inglaterra e Portugal, onde joga atualmente pelo Boavista. Para ele, disputar também o novo torneio é uma forma de "mesclar futebol e entretenimento".

"Quando as pessoas estão em casa, elas querem ver algo para se divertir e eu acredito que nós estamos conseguindo isso", afirma.

A ideia do ex-zagueiro Gerard Piqué e do streamer Ibai Llanos, os criadores do projeto, foi justamente criar algo que fosse divertido, sobretudo para o público jovem. Por isso, não há limites para a criatividade na formulação das regras.

Sem um pontapé inicial, a bola é colocada no meio e os times precisam correr em direção a ela para ter a posse. As substituições são ilimitadas. Um cartão amarelo significa que o jogador precisa sair de quadra por dois minutos, e o cartão vermelho é a expulsão, mas com possibilidade de substituição.

Os pênaltis são cobrados com bola rolando. Caso um time peça o uso do VAR (árbitro de vídeo) e não haja mudança na marcação do juiz, o direito de pedir uma checagem acaba.

Há, ainda, cartas com vantagens especiais para serem usadas no decorrer dos confrontos, como pênaltis instantâneos, roubar uma carta, remover um jogador adversário por dois minutos, qualquer gol marcado no minuto seguinte contar em dobro e uma carta curinga, com a qual os treinadores podem optar por usar qualquer uma das cartas mencionadas.

"É um circo", definiu o presidente da La Liga, Javier Tebas, irritado com suposições de que o torneio pode disputar audiência com as partidas de fim de semana do Campeonato Espanhol.

"A única coisa em que a Kings League é parecida com o futebol é que você joga com uma bola e tem que fazer gols. Não consigo imaginar fazendo a coisa das cartas em La Liga", acrescentou Tebas.

A imprensa espanhola, no entanto, tratou a ironia do dirigente como uma sinal de preocupação. Ao menos em relação ao público jovem, o mais atraído pela nova modalidade, disputada sempre aos domingos, dia em que tradicionalmente são realizados as partidas mais importantes do Espanhol.

Desde a estreia, em 1º de janeiro, os jogos da Kings League têm registrado média de 300 mil espectadores simultâneos e picos de até 800 mil na plataforma de streaming Twitch, segundo dados do TwitchTracker.

Com 1,6 milhão de inscritos, o canal acumula 3,8 milhões de horas assistidas durante suas transmissões ao vivo e VOD (video on demand).

Com 12 times inscritos, cada rodada tem seis partidas, todas disputadas em sequência ao longo de cada domingo, com a primeira começando às 14h30 e a última às 21h (horários de Brasília).

A primeira fase é disputada em pontos corridos e, após 11 rodadas, os oito mais bem classificados vão disputar um mata-mata.

Os elencos contam com 12 jogadores, sendo 10 escolhidos por um "draft", semelhante ao que é feito nos esportes americanos, e dois "coringas". O 11º jogador é uma estrela que compõe a equipe durante toda a temporada e o 12º são nomes que podem mudar a cada rodada.

O anúncio do 12º do Kunisports foi um dos mais aguardados pelos fãs. Piqué e Llanos aproveitaram as críticas do presidente da La Liga e colocaram em campo um atleta vestido de coringa com tema de circo.

Quando ele tirou a máscara, surgiu o rosto do ex-atacante argentino Sergio Agüero. Além de defender a equipe, ele é o presidente do time.

O mexicano Chicharito Hernández, o argentino Javier Saviola e os espanhóis Ibai Gómez, Juan Capdevila, Victor Sánchez e Jonathan Soriano são outros nomes que ocupam vagas de profissionais e ex-jogadores.

"A recepção do público não só na Espanha mas em outros países tem sido muito boa. Mesmo eu, que sou profissional e tenho longa carreira em muitos clubes, tenho sentido isso", diz Alberto Bueno.

Para aproximar ainda mais os fãs de seu novo projeto, Piqué acertou recentemente que a final da primeira edição da Kings League será disputada diante de um grande público, no estádio Camp Nou, palco em que ele construiu boa parte de sua carreira profissional.

O acordo para jogar no estádio do Barcelona foi anunciado pelo ex-defensor e o presidente do clube, Joan Laporta. A partida será no dia 26 de março. O dirigente elogiou o projeto de Piqué.

"Nós sabemos que o futebol está perdendo o público dos jovens. Eu o parabenizo porque você inventou uma nova forma divertida de futebol. Não o entendemos como um circo, mas como uma nova forma de entretenimento", afirmou.