Cigarro eletrônico aumenta o risco de diabetes, aponta estudo

·2 min de leitura
Cigarro eletrônico aumenta o risco de diabetes, aponta estudo
Cigarro eletrônico aumenta o risco de diabetes, aponta estudo

Os cigarros eletrônicos são encarados pela indústria tabagista como uma espécie de “tábua de salvação”. Um dos argumentos usados por companhias como a Philip Morris International (PMI) e a British American Tobacco (BAT) é de que esses aparelhos são menos prejudiciais que os cigarros comuns.

Porém, estudos e mais estudos vêm comprovando que este argumento tem muitos furos, e que os cigarros eletrônicos, conhecidos popularmente como “vapes”, são bastante prejudiciais à saúde. Uma nova pesquisa da Universidade Johns Hopkins, por exemplo, liga o uso de cigarros eletrônicos à diabetes.

600 mil adultos analisados

Em um estudo que analisou dados de mais de 600.000 adultos estadunidenses, os pesquisadores descobriram que os usuários de cigarros eletrônicos eram mais propensos a ter pré-diabetes. O risco era maior do que de não fumantes e, inclusive, do que de pessoas que fumam cigarros comuns.

A ligação com a diabetes foi vista mesmo entre pessoas que disseram nunca ter usado cigarros comuns. A pré-diabetes é uma condição que se refere a níveis de açúcar no sangue que são mais altos do que deveriam, mas, no entanto, não estão no limite para diagnóstico de diabetes tipo 2.

Leia mais:

Segundo o pesquisador sênior da Johns Hopkins, Shyam Biswal, as descobertas não são uma prova inequívoca de que os cigarros eletrônicos causam pré-diabetes. No entanto, o pesquisador ressalta que o tabagismo é conhecido por sua relação com maior risco de diabetes.

Ligação entre nicotina e diabetes é conhecida

diabetes
Conexão entre diabetes e tabagismo já é amplamente conhecida. Imagem: TesaPhotography (Pixabay)

De acordo com a pesquisa, isso é uma demonstração de que a nicotina, assim como outros produtos químicos presentes na fumaça do cigarro, podem alterar a capacidade do corpo de controlar os níveis de açúcar no sangue.

Os cigarros eletrônicos, da mesma forma que os tradicionais, contêm nicotina em sua composição. Porém, também possuem aromatizantes artificiais nos chamados “e-líquidos”, que dão sabor e aroma para a fumaça. Portanto, segundo Biswal, é “plausível” que o vaping possa aumentar o risco de diabetes.

Via: News Max

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos