Cidadania brasileira de Arrascaeta é importante para chegada de mais estrangeiros ao Flamengo

Arrascaeta está residindo no Brasil desde janeiro de 2015 (Foto: Marcelo Cortes/Flamengo)


Atuando no futebol brasileiro desde 2015, Giorgian De Arrascaeta está em processo de obter a cidadania brasileira. A atitude do meia uruguaio, assim que concretizada, pode ser de grande valor para o Flamengo, que tem outros dois estrangeiros na mira para 2023: o argentino Agustín Rossi, do Boca Jrs, e o colombiano Juan Quintero, que deixou o River Plate e pertence ao Shenzhen, da China.

+ Vaivém do LANCE!: confira as transferências dos clubes brasileiros no Mercado da Bola

Isso porque a CBF permite a utilização de cinco jogadores estrangeiros nos campeonatos. Atualmente, o técnico Vítor Pereira tem os chilenos Erick Pulgar e Arturo Vidal e os uruguaios Varela e Arrascaeta à disposição no elenco profissional. Caso Rossi e Quintero sejam contratados, o Rubro-Negro passará a ter um número de estrangeiros acima do permitido - o que seria "resolvido" com a cidadania do camisa 14.

Arrascaeta está apto a pedir a cidadania brasileira desde 2020. O meia chegou ao Cruzeiro para a temporada de 2015, e a legislação exige "ter residência em território nacional, pelo prazo mínimo de 4 (quatro) anos", por exemplo. O próprio Giorgian De Arrascaeta, em 2022, falou sobre o processo.

;- Sou Mengão, carioca, com certeza. Daqui a pouco, quando voltar, vou pegar a cidadania que já está prontinha - afirmou o meia, ao canal TNT, após o título da Libertadores em outubro de 2022.