“Chocolate” da Ponte no Palmeiras aliviou pressão no Santos: entenda!

O Santos está oficialmente fora do Campeonato Paulista desde o último dia 10, quando perdeu nos pênaltis para a Ponte Preta, no Pacaembu. Porém, a vitória da própria Macaca por 3 a 0 sobre o Palmeiras, no último domingo, pelo jogo de ida da semifinal do Estadual, ajudou a mudar o ambiente no Peixe.

A partida em si não alterou em nada a situação do alvinegro, que ficará fora de uma final do Paulistão pela primeira vez após oito anos. Porém, a forma como a Ponte triturou o Verdão em Campinas serviu como exemplo para o presidente Modesto Roma Júnior bancar ainda mais a permanência do técnico Dorival Júnior.

Após a eliminação no último dia 10, alguns membros do Conselho Deliberativo e até da própria diretoria cobraram do mandatário a demissão do treinador. Modesto, porém, tratou de garantir a continuidade do comandante logo após o revés para a Macaca, ainda no Pacaembu.

“O Dorival não vai sair do Santos. Não se ganha título com treinador ping-pong”, resumiu Modesto.

Na época, o treinador estava sendo cobrado pelo fato do time não conseguir passar pela Ponte mesmo com um orçamento muito superior. Porém, com a derrota do Verdão, que possui o elenco mais caro e badalado do Brasil, os santistas viram que a Macaca não é ‘qualquer time’ e diminuíram a pressão para uma possível queda de Dorival.

Mas para afastar de vez os riscos de demissão, o comandante precisa voltar de Bogotá, na Colômbia, com uma vitória do Santos sobre o Independiente Santa Fe, pela terceira rodada da fase de grupos da Copa Libertadores. Caso o alvinegro seja derrotado no duelo, que acontece nesta quarta-feira, às 21h45 (de Brasília), Dorival verá os questionamentos sobre o seu trabalho aumentarem novamente.