Chinesa Sinovac doará 50.000 doses para imunizar jogadores sul-americanos

·2 minuto de leitura
Mulher é inoculada com a vacina CoronaVac, desenvolvida pelo laboratório Sinovac, em um centro de vacinação no aeroporto de Carrasco em Ciudad de la Costa, Canelones, no Uruguai, em 08 de abril de 2021

Os jogadores de futebol sul-americanos serão imunizados com a vacina da empresa chinesa Sinovac, que doará cerca de 50 mil doses do seu imunizante anticovid Coronavac à Conmebol, anunciou nesta terça-feira (13) o presidente da organização esportiva, Alejandro Domínguez.

O dirigente revelou que o laboratório Sinovac Biotech Ltd vai entregar em breve 50.000 doses da sua vacina contra a covid-19 à instituição como doação.

A imunização terá como foco os principais times do futebol profissional sul-americano dos torneios de primeira categoria, masculinos e femininos, destacou o site da Conmebol.

"É a melhor notícia que a família do futebol sul-americano poderia receber", disse Domínguez em nota divulgada no site da instituição.

As imunizações deverão terminar antes do início da Copa América na Argentina e na Colômbia (13 de junho), disseram fontes da entidade à AFP.

A farmacêutica asiática "entendeu que o futebol é uma atividade fundamental para a economia, a cultura e a saúde física e mental dos sul-americanos", comentou o presidente da Conmebol.

O dirigente também agradeceu ao presidente do Uruguai, Luis Lacalle Pou, pelos esforços "para (concretizar) essa conquista sem precedentes no futebol mundial".

Até o momento, nenhuma outra confederação no mundo conseguiu obter imunizantes para iniciar um processo de vacinação em massa de atletas, indicou a Conmebol.

Domínguez ressaltou que os pormenores logísticos e operacionais do processo de vacinação "serão informados oportunamente pela Conmebol, em coordenação com as associações filiadas".

"É um grande passo para vencer a pandemia, o que não significa de forma alguma que vamos baixar a guarda", disse o chefe da Conmebol.

Domínguez ressaltou ainda que a vacina não vai substituir nem modificar os cuidados e os protocolos que vigoram nos torneios da Conmebol e que foram aprovados pelos governos dos 10 países do subcontinente.

"A vacina é apenas mais uma barreira que colocamos diante do avanço da covid-19 e não significa afrouxar as medidas. Conforme o processo de vacinação avançar, a Conmebol vai consultar um painel de especialistas - como temos feito desde o início da pandemia - sobre a possibilidade de introdução de mudanças nos protocolos".

No entanto, afirmou que "está claro que a vacinação é um grande avanço para aquilo que todos ansiamos: o regresso pleno do futebol sul-americano com a sua explosão de cor, alegria e paixão no campo e nas arquibancadas".

hro/ol/mr