Diferente do que diz Bolsonaro, Chile tem negociações por vacina da SinoVac

Anita Efraim
·2 minuto de leitura
Ministros da Saúde, Enrique Paris, e da Ciência, Andrés Couve, se encontraram com representantes da SinoVac no dia 13 de outubro (Foto: Divulgação/Ministerio de Salud)
Ministros da Saúde, Enrique Paris, e da Ciência, Andrés Couve, se encontraram com representantes da SinoVac no dia 13 de outubro (Foto: Divulgação/Ministerio de Salud)

Nesta quarta-feira, 21, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) usou como argumento contra a CoronaVac o fato de não conhecer nenhum país que esteja interessado na vacina. O Chile é um dos países que está em negociações para participar dos testes da imunização contra o coronavírus.

No último dia 13, os ministros da Ciência, Andrés Couve, e o ministro da Saúde, Enrique Paris, se encontraram com representantes do laboratório chinês SinoVac para negociar doses para testes e preferência de compra da vacina.

No mesmo dia da reunião, os ministros anunciaram que dentro de uma semana chegariam as dosas para começar a terceira fase de testes da CoronaVac país. A Universidad Católica é a responsável por liderar as pesquisas no Chile e, ao todo, serão 3 mil voluntários.

A negociação entre o governo chileno e laboratório ainda incluem a preferência de compra de 20 milhões de doses, caso a vacina comprovadamente eficaz. O Chile tem cerca de 18 milhões de habitantes e, até agora, a vacina da SinoVac prevê que sejam necessárias duas aplicações da imunização.

Leia também

“Nessa reunião, conhecemos os avanços dos ensaios da fase três dessa vacina, que já conta com mais de 10 mil voluntários recrutados em todo o mundo e que avança para conseguir certificações de agências internacionais para sua aprovação final na Indonésia, na China e no Brasil”, disse Couve, ministro da Ciência, após o encontro. “Dentro das próximas semanas, já poderemos iniciar esse ensaio clínico no nosso país”.

Paris, ministro da Saúde, afirmou autoridades esperam que a Anvisa aprove a vacina para que o Chile possa fazer o mesmo.

No Chile, mais de 495 mil pessoas já contraíram o coronavírus e 13,7 mil morreram pela Covid-19.