Chile domina Venezuela e toma lugar da Argentina na zona de classificação

O Chile entrou em campo nesta noite já sabendo o que fazer e fez. Jogando em casa, com o forte apoio de sua torcida no estádio Monumental de Santiago, a Roja foi arrasadora e venceu a Venezuela por 3 a 1, pela 14ª rodada das Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa do Mundo da Rússia, em 2018. O resultado foi decretado antes dos 30 minutos de bola rolando, com Alexis Sánchez e Paredes, duas vezes, balançando as redes. Os visitantes até que esboçaram uma reação no segundo tempo, diminuíram com Rondón, mas amargaram nova derrota.

Aproveitando a derrota da Argentina para a Bolívia, também nesta terça-feira, os chilenos entraram na zona de classificação e ocupam, depois do triunfo, a quarta colocação da tabela, com 23 pontos. Já os hermanos somam 22 e aparecem, agora, na zona de repescagem.

Confira também: James e Cuadrado garantem vitória da Colômbia sobre o Equador

Vivendo situação completamente diferente e sem projeções de ir ao Mundial, os Venezuelanos amargam a lanterna do torneio classificatório, com apenas seis pontos. Os últimos colocados acumulam um péssimo retrospecto, com uma vitória, três empates, e 10 derrotas.

Pela próxima rodada das Eliminatórias, a seleção chilena vai em busca de seguir no G4, recebendo o Paraguai, no dia 31 de agosto. No mesmo dia, a Venezuela joga em casa contra a Colômbia.

Chile domina as ações e sela a vitória

Nem os mais otimistas dos chilenos imaginariam um começo tão arrasador dos donos da casa. Sufocando os adversários logo de cara, o Chile contou com uma falta, aos quatro minutos, para abrir o placar. O craque do time, o atacante Alexis Sánchez, cobrou com maestria, colocando a bola no ângulo direito do goleiro Fariñez. A bola ainda explodiu no travessão antes de entrar.

Sem perder a intensidade, a Roja precisou de apenas dois minutos para ampliar a contagem. Desta vez criando a jogada, Sánchez veio pelo lado esquerdo, cortou a marcação em direção à área e deixou Aránguiz, ex-Internacional, na cara do gol. O meia, ao invés de finalizar, foi inteligente e rolou para o atacante Paredes, que só teve o trabalho de empurrar para a meta.

Depois de largar à frente antes dos 10 minutos de bola rolando, o Chile passou a jogar de maneira mais contida e encontrou mais dificuldades para furar o bloqueio venezuelano. Os visitantes até tentaram sair para o jogo, buscando diminuir a desvantagem, mas acabaram levando mais um. Aos 22 minutos, o camisa 7 desequilibrou de novo: fez boa jogada individual, encontrou Isla do lado esquerdo, que cruzou. O próprio Sánchez, mostrando muita garra, conseguiu cabecear antes de a redonda sair pela linha de fundo e mais uma vez Paredes estava na hora certa e no lugar certo e só escorou.

Desperdício chileno e reação venezuelana

Na segunda etapa, o panorama do primeiro tempo se estendeu nos momentos iniciais, com a seleção chilena dominando as ações. O time mandante, no entanto, acabou desperdiçando chances incríveis de selar a goleada e deu espaço para a Venezuela, que saiu para o contra-ataque e conseguiu descontar. Aos 17 minutos, em cobrança de falta do meia Otero, do Atlético-MG, Rondón subiu mais alto que todo mundo e cabeceou no chão para superar o goleiro Bravo.

Depois do gol amarelo, nenhuma das equipes abaixaram o nível e seguiram buscando mais tentos. O Chile, mantendo o toque de bola e as tabelas e os venezuelanos aproveitando os contra-ataques. Com este panorama, surgiu o lance polêmico da noite, aos 24 minutos, quando Rondón partiu pela direita e atrasou para Peñaranda, que rolou para Rincón carimbar o travessão. A bola foi direto para o chão e gerou muita dúvida se entrou ou não. O juiz preferiu não apitar para o gol.

Seguindo forte no ataque, os Rojos perderam mais uma incrível chance, com Sánchez desperdiçando um pênalti e manchando a atuação irretocável até então. Após cobrança de escanteio aos 31 minutos, o lateral esquerdo Feltshcer derrubou o volante chileno Hernándes dentro da área e o árbitro assinalou a penalidade. Na cobrança, o camisa 7 bateu forte, no canto direito e o jovem goleiro Fariñez fez grande defesa, mandando para escanteio.

FICHA TÉCNICA:

CHILE 3 X 1 VENEZUELA

Local: Estádio Monumental, em Santiago (Chile)

Data: 28 de março de 2017, terça-feira

Hora: 19h (de Brasília)

Árbitro: Andrés Cunha (URU)

Assistentes: Mauricio Espinosa e Nicolas Taran (ambos do URU)

Cartões amarelos: Medel (CHI); González e Angel (VEN)

Gols:

CHILE: Sánchez, aos 4 e Paredes, aos 6 e aos 22 minutos do primeiro tempo

VENEZUELA: Rondón, aos 17 minutos do segundo tempo

CHILE: Bravo, Isla (Díaz), Medel, Jara e Beausejour; Pablo Hernández (Carmona), Aranguiz e Vidal; Paredes (Valdívia), Sanchéz e Vargas

Técnico: Juan Antonio Pizzi

VENEZUELA: Fariñez, González (García), Angel, Villanueva e Feltscher; Rincón (Figuera), Zambrano, Murillo, Machís (Peñaranda) e Otero; Rondón

Técnico: Rafael Dudamel