Chile apresenta pedido de vaga do Equador na Copa do Mundo

Chile apresentou documentação para tentar ganhar a vaga do Equador na Copa do Catar. Foto: Marcelo Hernandez/POOL/AFP via Getty Images
Chile apresentou documentação para tentar ganhar a vaga do Equador na Copa do Catar. Foto: Marcelo Hernandez/POOL/AFP via Getty Images

Além de ainda não ter todos os classificados para Copa do Mundo por conta de interrupções causadas pela pandemia de coronavírus e pela guerra na Ucrânia, agora a Fifa terá que lidar com mais um problema.

O Chile pediu nesta semana que a entidade elimine o Equador, o que beneficiaria os chilenos que ficariam com a vaga para a competição que será disputada no Catar. A alegação é que seu rival sul-americano colocou em campo um jogador que na verdade é colombiano.

Leia também:

Para apoiar seu caso, o Chile apresentou na quarta-feira (4) uma reclamação de várias páginas, que contém documentos de registro, incluindo certidões de nascimento, que mostram que o defensor Byron Castillo nasceu na Colômbia três anos antes do que foi declarado em os documentos usados ​​para identificá-lo como equatoriano.

De acordo com as regras da Fifa, jogar com um jogador inelegível pode invalidar os resultados das eliminatórias na América do Sul. O Equador terminou em quarto lugar nas classificatórias para o Catar, conquistando uma das quatro vagas automáticas do continente na Copa do Mundo, que começa em novembro.

O Chile está exigindo que o Equador perca os oito jogos de qualificação em que Castillo jogou, com os adversários herdando três pontos por jogo. Se a Fifa concordar o Chile vai para a Copa do Mundo às custas do Equador.

Os antecedentes de Castillo estão envoltos em perguntas há vários anos, depois que uma investigação mais ampla sobre os registros de jogadores no Equador analisou centenas de casos e resultou em punições para pelo menos 75 jogadores jovens encontrados com registros falsificados.

Há dois anos, o presidente de uma comissão especial de investigação convocada pela federação parecia sugerir que Castillo era colombiano, algo que as autoridades chilenas agora dizem ter comprovado.

A preocupação com a elegibilidade de Castillo parecia ter preocupado também as autoridades equatorianas. Em março de 2021, Carlos Manzur, vice-presidente da federação de futebol do Equador, sugeriu isso em comentários divulgados pela mídia local.

Para fortalecer seu pedido, o Chile vai usar um precedente recente em outro esporte para defender seu ponto de vista. No mês passado, a Espanha foi desclassificada da Copa do Mundo de rúgbi de 2023 depois de perder pontos por colocar em campo um jogador inelegível em dois jogos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos