Chelsea permitirá presença de torcedores nas reuniões administrativas

·2 minuto de leitura
Lance da partida entre Real Madrid e Chelsea, pela Liga dos Campeões

O Chelsea vai permitir a presença de três representantes de seus torcedores nas reuniões da direção, anunciou o clube inglês duas semanas depois da polêmica sobre sua participação na criação da Superliga Europeia.

"Três conselheiros torcedores, escolhidos por meio de um processo de eleição e seleção, comparecerão às reuniões do conselho para garantir que o sentimento geral dos torcedores seja considerado parte do processo de tomada de decisão do clube", explicou o time de Londres.

Esses três representantes serão eleitos por voto após um processo de seleção que deve ser discutido "com o Fórum de Torcedores e vários grupos de torcedores não oficiais", destacou a diretoria do time londrino.

O anúncio vem duas semanas depois que o Chelsea, junto com outros onze grandes clubes europeus, anunciou a criação de uma Superliga, um torneio independente da Uefa que rapidamente foi criticado por torcedores, autoridades do futebol e dos próprios governos.

Esta forte oposição à nova competição, que rivalizaria com a Liga dos Campeões, foi abandonada pela maioria dos clubes fundadores menos de 48 horas após o anúncio de sua criação.

Os próprios torcedores do Chelsea fizeram uma forte manifestação contra o projeto em frente ao estádio Stamford Bridge, antes de uma partida contra o Brighton, bloqueando a entrada dos ônibus que levavam as equipes para a arena, poucas horas antes dos diretores do clube anunciarem a saída da nova liga.

“O proprietário e a diretoria entenderam que envolver o clube em tal projeto é uma decisão que não deveríamos ter tomado. É uma decisão que lamentamos profundamente”, foi a desculpa da entidade ao anunciar que estava abandonando o projeto a Superliga.

Os três representantes dos torcedores vão exercer a função por um ano e deverão representar toda a massa de torcedores do Chelsea, por isso será "inclusivo e diverso", segundo a entidade.

Os conselheiros torcedores "não terão direito a voto e não participarão de nenhuma reunião relacionada com os jogadores, a equipe, as divisões de base e assuntos relacionados com estas questões", destacou o clube.

Ao fim desse ano, em que os conselheiros torcedores participarão de pelo menos quatro reuniões, o clube doará 2.500 libras (cerca de 3.500 dólares) a cada representante da torcida para que sejam encaminhadas a uma organização não governamental de sua escolha.

hap/fbx/mcd/lca