"Chantagem extrema" obrigou federações a retirarem braçadeiras no Catar, diz federação alemã

Harry Kane antes de jogo Inglaterra x Irã

Por Karolos Grohmann

DOHA (Reuters) - As federações de futebol que planejavam usar as braçadeiras 'OneLove' contra a discriminação durante a Copa do Mundo no Catar enfrentaram uma "chantagem extrema" que levou ao cancelamento da ação planejada, disse a federação alemã de futebol (DFB) nesta terça-feira.

As federações de Inglaterra, País de Gales, Bélgica, Holanda, Suíça, Alemanha e Dinamarca disseram na segunda-feira que foram pressionadas pela Fifa, que ameaçou dar cartões amarelos a qualquer jogador que usasse a braçadeira multicolorida.

A homossexualidade é ilegal no Estado do Golfo.

O diretor de mídia da DFB, Steffen Simon, disse à rádio alemã Deutschlandfunk que a Inglaterra, que era o primeiro time a usá-la na segunda-feira em seu jogo contra o Irã, foi ameaçada com várias sanções esportivas.

"O diretor do torneio foi até o time inglês e falou sobre várias violações de regras e ameaçou com sanções esportivas sem especificar quais seriam", declarou ele.

Simon, que não especificou se estava se referindo aos organizadores locais ou à Fifa em sua referência ao diretor do torneio, disse que as outras seis nações decidiram "mostrar solidariedade" e não usar a braçadeira.

"Estávamos em uma situação extrema, em uma chantagem extrema e pensamos que tínhamos que tomar essa decisão sem querer."

A seleção inglesa não quis comentar o assunto. A Fifa não respondeu imediatamente à Reuters quando solicitada a comentar. Os organizadores locais também foram contatados.

(Reportagem adicional de Martyn Herman em Doha)