Chamusca vê evolução no Botafogo, mas admite: 'A gente tem sido pouco efetivo'

·4 minuto de leitura


O técnico Marcelo Chamusca vê uma evolução no Botafogo, mas, após o empate com o Avaí por 1 a 1, na Ressacada, em jogo válido pela nona rodada da Série B, admitiu que o time tem sido pouco efetivo. Segundo o site "SofaScore", o Glorioso, de 14 finalizações tentadas no confronto, acertou apenas três na direção do goleiro Gledson. De acordo com o treinador, se as oportunidades tivessem sido concluídas em gol, a história da partida poderia ter sido outra.

> Nova camisa lançada! Relembre os últimos uniformes II do Botafogo

- A equipe evoluiu em vários aspectos, mas, realmente, a gente tem sido pouco efetivo. Hoje mesmo, foi um jogo, que no primeiro tempo nós tivemos três chances claras ali em finalizações que a gente poderia ter aproveitado melhor e, talvez, mudado um pouco a história do jogo. No segundo tempo, também, mas acho que no primeiro tempo foram mais claras.

- Nesse momento, a única coisa que eu posso fazer é trabalhar com os atletas a questão de análise, as imagens dos jogos, dar algumas orientações sobre tomada de decisões e execução em algumas situações, dar confiança para o atleta. Porque a gente não tem tempo de treinar.

> Veja a tabela da Série B

Com o empate, o jejum de vitórias fora do Rio de Janeiro na Série B continua. No total, são três pontos conquistados como visitante em 15 possíveis. Apesar dessa situação, Chamusca está confiante de que o Botafogo conseguirá a primeira vitória fora de casa na competição.

- O Botafogo ainda vai jogar alguns jogos fora de casa, eu acho que estamos muito perto de vencer, porque estamos jogando bem fora de casa. É até interessante e meio contraditório, em todos os jogos a gente jogou muito bem, hoje a gente voltou a jogar bem, esteve mais próximo do que o adversário.

- Segundo tempo, na hora que o adversário fez 1 a 0, eles não tinham chutado uma bola sequer no gol do Botafogo. No primeiro chute do segundo tempo. Sendo que estávamos jogando na Ressacada, contra um adversário com um investimento muito interessante – deve brigar na parte de cima da tabela – foi campeão estadual, é um time que vem jogando junto desde o ano passado. Mas nosso comportamento foi muito bom. Então, estamos muito próximos de vencer fora de casa, é só a gente continuar trabalhando, performando, que, em algum momento vamos conseguir vencer.

Agora, o Botafogo viaja até Maceió, onde enfrenta o CRB, às 21h30, no estádio Rei Pelé. A partida é válida pela décima rodada da Série B do Brasileirão.

Veja mais declarações de Chamusca

CALENDÁRIO


- Não posso fazer nada, porque jogo de três em três dias. Eu viajei para Volta Redonda para jogar, voltei de madrugada e tive que viajar na sexta para Floripa e montei o time que sequer teve tempo de treinar. Como vou trabalhar alguma coisa com um atleta, se eu só faço recuperar e botar os atletas para jogar. Quando a gente tiver tempo hábil para treinar, a gente pode desenvolver, tentar melhorar, criar mecânicas, fazer com que os atletas tenham até um encaixe melhor em relação à mecânica de jogo, e a gente evolua nesse aspecto.

- Eu não consegui treinar para esse jogo, não vou conseguir treinar para o jogo em Maceió, não vou conseguir treinar para o jogo contra o Cruzeiro. Como vou fazer treino para que os atletas possam melhorar. Tem que melhorar na conversa, na resenha, trabalhando o mental dos jogadores, mostrando imagens e tentando corrigir para que a gente possa ser mais efetivo nos jogos.

ERRO DE PASSES

- Tem que se analisar, na verdade, jogo a jogo, contexto a contexto. Tem campos onde você tem uma condição melhor. Hoje, por exemplo, o campo do Avaí, a Ressacada, é um campo muito bom, onde os jogadores tem condição de realizar um jogo mais com a bola no chão, um pouco mais assertivo.

- Agora, você analisar precisão de passes no estádio do Vila Nova, no estádio do Sampaio Corrêa, com todo respeito às equipes, mas são gramados que não tem a mínima condição de jogar. E acho que esses jogos tem uma interferência em relação a questão dos números.

DESPERDÍCIO DE CHANCES CRIADAS É O GRANDE PROBLEMA DO BOTAFOGO?

- Eu acho que tem sido recorrente, principalmente nos jogos fora de casa, se você pegar o recorte de todos os jogos, no jogo do Londrina, nós, principalmente no segundo tempo, tivemos chance de matar o jogo e não conseguimos; no jogo do Náutico, o goleiro (do Náutico) foi o melhor em campo; no jogo do Sampaio, a gente teve o dobro de finalizações do que o adversário.

- Eu acho que se você fizer um recorte, tem sido realmente recorrente, mas como eu falei na resposta anterior, infelizmente, agora nós não temos nenhuma condição de evoluir com treinamento, não estamos tendo tempo de treinar, é só recuperar os jogadores e treinar o mínimo possível para preparar para o jogo seguinte. Acho que, quando tivermos um pouco mais de semanas cheias, a gente vai poder evoluir nesse aspecto.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos