Chamusca elogia maturidade do Botafogo após goleada fora de casa: 'O campo é de quem joga'

LANCE!
·2 minuto de leitura


Em grande estilo, o Botafogo conquistou a classificação à segunda fase da Copa do Brasil, batendo o Moto Club por 5 a 0 nesta quarta-feira, no Castelão, em São Luís do Maranhão. Diante de um placar elástico, Marcelo Chamusca, treinador do Alvinegro, elogiou, em entrevista coletiva, a variação apresentada pela equipe na construção dos gols.

- O Botafogo que a gente quer ver em campo é um Botafogo que tenha variação em relação à forma de jogar. Sempre levando em consideração a análise de cada adversário, mas mantendo conceitos que são importantes. Ter um bom jogo de transição encaixa com a característica com o time que escalamos. Gostei das construções dos gols, de falta, de pênalti com infiltração do Babi, jogo apoiado, extremo atacando dentro da área... Uma variação que deixa satisfeito. O resultado foi fundamental para aumentar a autoestima dos jogadores - analisou.

O treinador também bateu palmas para a postura dos jogadores que, mesmo fora de casa, não sentiram o peso. Para Chamusca, mesmo com o estádio longe do Rio de Janeiro, o campo é de quem consegue se impor. Além disto, ele elogiou a postura dos atletas no fim da partida mesmo com a larga vantagem no placar.

- O time foi maduro desde o início do jogo, começou se impondo mesmo na casa do adversário. Eu falo que o campo é de quem joga. O estádio pode ser do Moto Club, mas o campo é de quem joga. Gostei muito da maturidade, a forma como construímos o jogo e a fidelidade dos atletas. Mostramos nas palestras a utilização de espaços do adversários e eles utilizaram muito bem. Eu achei espetacular os últimos dez minutos de jogo. Mesmo com a situação resolvida, os jogadores continuaram pressionando, acelerando e buscando mais gols. É um comportamento que nos deixa muito contentes - afirmou.

A partida serviu para as estreias de Marcinho e Matheus Frizzo como jogadores do Botafogo. No começo da temporada, Chamusca afirma que possui um plano para colocar os novos jogadores do elenco em ritmo de jogo.

- Geralmente não gosto de colocar prazo, temos que respeitar a individualidade biológica dos jogadores. Estamos inserindo gradativamente. Hoje consegui colocar o Marcinho e o Frizzo. É preciso ritmar o atleta também. Estamos fazendo isso de uma forma muito sensata, conversando com os departamentos e os atletas, para fazer os jogadores evoluírem e se entrosarem com a equipe. São através dos jogos que vamos melhorar a parte física e o entrosamento dos atletas - explicou.