Cervejaria em MG vai do céu ao inferno em menos de um ano

Yahoo Notícias
Quatro pessoas morreram em Minas em decorrência de síndrome nefroneural associada ao consumo de cerveja da marca. (Foto: Divulgação/Instagram)
Quatro pessoas morreram em Minas em decorrência de síndrome nefroneural associada ao consumo de cerveja da marca. (Foto: Divulgação/Instagram)

Em março de 2019, o Festival Brasileiro de Cerveja em Blumenau, que abriga o mais prestigiado concurso do gênero do país, coroou a Backer como a melhor cervejaria de grande porte do país.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Fábricas de porte fábricas têm produção acima de 100 mil litros por mês, e os mineiros já haviam superado o número de 800 mil depois de uma ampliação em 2018.

Leia mais sobre o caso envolvendo a cervejaria

Menos de um ano depois da consagração, a Backer vive seu pior momento com o caso da contaminação por dietilenoglicol, que levou a 18 casos confirmados de intoxicação, incluindo quatro mortes.

Depois de uma entrevista coletiva neste ano, a empresa passou a falar apenas por meio de comunicados oficiais via assessoria de imprensa.

Em seu site, uma declaração se limita a informar que o foco "está nos pacientes e seus familiares" e que "prestará o suporte necessário, mesmo antes de qualquer conclusão". Também avisa que continua colaborando com as investigações ao mesmo tempo em que solicitou uma perícia independente.

Em sua defesa, a cervejaria diz que nunca comprou o dietilenoglicol para usar como anticongelante --toda cervejaria utiliza um anticongelante na produção, muitas uma solução à base de etanol.

Mas isso importa menos. A grande questão continua sem resposta: como é que o anticongelante entrou em contato com o líquido no processo de produção, contato esse que causou a contaminação?

O episódio trágico não aconteceu com uma cervejaria qualquer. A Backer é das mais respeitadas e antigas do setor no país, fundada em 1998. Vários dos mais de 20 rótulos de seu portfólio passaram com sucesso por São Paulo.

Adeptos paulistas de cervejas artesanais devem ter experimentado alguma da série Três Lobos, como a Exterminador, uma cerveja de trigo com capim-limão, ou a Pele Vermelha, uma american IPA com raspas de laranja (que teve um lote contaminado com o dietilenoglicol).

Também foi bem-sucedida por aqui a série Mafiosas, que inclui a red ale Corleone, outro rótulo contaminado. A Belorizontina não era vendida em São Paulo.

Com a fábrica ainda fechada pelo Mapa e com todos os rótulos recolhidos, a cervejaria da marca ao lado da fábrica, no bairro Olhos d'Água em Belo Horizonte, quase fronteira com Nova Lima, estava aberta normalmente na sexta-feira (17), ou quase normalmente. Pratos do cardápio que usam algum rótulo da empresa na execução eram vendidos apenas na versão "sem álcool".

A única bebida alcoólica produzida pela Backer comercializada eram drinques à base do uísque Três Lobos ou do gim Lebbos, destilados que entraram para o portfólio da empresa em 2018.

Mesmo no final da tarde do início do fim de semana, quando os bares estão cheios, o Templo Cervejeiro (nome da casa) estava praticamente vazio.

Na lojinha ao lado do bar-restaurante, rótulos estavam expostos, mas a funcionária avisava que ainda não podia vendê-los e esperava que a situação fosse revertida. Novamente, apenas uísque e gim, entre as bebidas alcoólicas, podiam ser comercializadas.

Em bares especializados de Belo Horizonte, o clima é de apreensão. Em uma das principais casas de cerveja artesanal da avenida do Contorno, o proprietário recolheu cerca de 30 caixas com títulos da Backer. Para ele, mesmo que a empresa consiga uma liminar para voltar a operar, "quem compraria uma cerveja Backer agora?"

Em outro bar na Pampulha, cuja carta de chopes oferecia apenas opções da Backer, o garçom oferecia de cabeça as novas versões da Verace, outra marca mineira. Para ele, o bar deveria voltar a comercializar as cervejas da Backer tão logo ocorra a liberação.

"Não tenho dúvida de que a Backer tem plenas condições de recuperar o mercado. São empreendedores comprometidos", diz Carlo Lapolli, presidente da Abracerva (Associação Brasileira de Cerveja Artesanal). Para ele, o importante agora é que a empresa siga auxiliando as investigações e, sobretudo, tenha transparência com o consumidor.

Chega a dez o número de produtos da cervejaria em que foi detectada a presença de substâncias tóxicas. São eles: Belorizontina, Capixaba, Capitão Senra, Pele Vermelha, Fargo 46, Backer Pilsen, Brown, Backer D2, Corleone e Backer Trigo.

Na sexta (17), a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) já havia proibido a venda de cervejas de todas as marcas produzidas pela empresa com data de validade igual ou posterior a agosto de 2020. Com a medida, comerciantes que ainda tinham os produtos à venda foram obrigados a retirá-los das prateleiras imediatamente.

Quatro pessoas morreram em Minas em decorrência de síndrome nefroneural associada ao consumo de cerveja da marca, mas o número pode subir. Outros 14 casos foram notificados. O primeiro caso foi relatado em 30 de dezembro.

Segundo a secretaria de Saúde de Minas Gerais, os pacientes com o quadro apresentam náuseas, vômitos, desconforto abdominal e comprometimento da função renal.

A Vigilância em Saúde de Minas orienta que as pessoas que consumiram as cervejas desde 30 de outubro e apresentem sintomas sejam observadas por equipes de saúde. As manifestações neurológicas podem ser apresentadas dias depois da ingestão da bebida.

da FolhaPress

Leia também