CEP afirma que Botafogo terá comitê para captação de recursos

Sergio Santana
LANCE!
(Foto: Vítor Silva/Botafogo)
(Foto: Vítor Silva/Botafogo)


Diante de problemas financeiros, a diretoria do Botafogo ainda não teve acesso ao orçamento para 2020, mas Carlos Eduardo Pereira, VP geral e presidente em exercício, já que Nelson Mufarrej está fora do país, afirmou, na apresentação de Alexander Lecaros, no Estádio Nilton Santos, que a prévia dos números que serão apresentados são complicados.

O dirigente, contudo, afirma que o Alvinegro encontrou uma possível solução para buscar um alívio no orçamento: um grupo voltado especialmente para a captação de recursos. Farão parte deste segmento Laércio Paiva, Cláudio Good, Carlos Eduardo Pereira, Paulo Mendes e Ricardo Rotenberg.

- O orçamento para 2020 ainda está sendo concluído. Tive uma prévia dos números e são contas difíceis. Vamos ter cortar algumas coisas do clube. Mas, com isto, vimos a necessidade de aumentar as receitas do clube. Vamos incrementar esse trabalho. Estamos criando um grupo de trabalho exclusivamente para isso. A expectativa é equilibrar os números para ter um ano melhor que 2019 - afirmou.

O ex-presidente deixa claro que a expectativa do comitê de futebol, responsável pela contratação de jogadores, é buscar jovens valores a custo baixo - o próprio Alexander Lecaros, de 20 anos, que chegou sem custos vindo do Real Garcilaso-PER, é um exemplo disto. A intenção é aumentar o valor efetivo do clube sem gastar dinheiro.

- Sobre o orçamento, o comitê trabalha seriamente nisso. A expectativa, quase que em uma matemágica, é uma busca por jovens valores para colocá-los em um determinado patamar em um custo menor do que foi colocado no ano anterior, para ter um retorno desse risco que você venha a correr. Queremos mesclar com os jogadores experientes que o elenco já possui. A ideia é que a comissão técnica tenha uma equipe equilibrada, mas a decisão é sempre do comitê - analisou CEP.







Investidores
Carlos Eduardo Pereira é um dos responsáveis pela organização da Botafogo S/A. Na última terça-feira, a primeira reunião de 2020 entre os responsáveis do Alvinegro aconteceu. O presidente em exercício afirmou que as conversas com os investidores estão, no momento, pausadas, pelo período festivo.

- Esse período de Natal e Ano Novo não andam muito, porque as grandes empresas ficam paradas. Agora, estamos partindo para formalizar juridicamente o trabalho. É claro que a decisão da Assembleia Geral foi muito importante. Nós agregamos com a decisão do Conselho Deliberativo. Temos, com a formalização jurídica, condições para evoluir no diálogo com os investidores - explicou.

CEP detalhou que o Botafogo conversa com dois tipos de investidores: fundos, que detêm conjuntos de empresas, que, pela quantidade de pessoas e capital, dependem de mais tempo para estudarem o projeto, e investidores individuais, que podem dar uma resposta mais rápida.

- Os investidores institucionais, que são os grandes fundos, eu vejo ainda um horizonte de mais três ou quatro meses de diálogos porque há uma necessidade maior de estudos dos números que nós apresentamos. Os investidores individuais, não pessoas físicas, mas os family offices, eles têm mais agilidade nessa decisão. Eu acredito que a gente consiga avançar. Já temos um certo horizonte, mas as pessoas esperam que você tenha um certo volume para tomar as decisões. Estamos caminhando. Com esse arcabouço jurídico montado, vamos avançar mais um pouco e, vencido esse período de festas, vamos dar novas notícias - finalizou.








Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Leia também