Ceni projeta sequência e não crê em mudança de data do Majestoso

Após vitórias na Copa do Brasil e no Campeonato Paulista, o São Paulo já projeta os próximos compromissos. A sequência tricolor aponta duelos com o ABC, de Natal, nas próximas duas semanas (dias 8 e 15) , pela terceira fase do torneio nacional, e clássico contra o Palmeiras, neste sábado, pelo Estadual.

Pensando nesses confrontos, Rogério Ceni poupou jogadores como Rodrigo Caio, Bruno, João Schmidt e Lucas Pratto no último domingo, quando a equipe bateu o Santo André por 4 a 1, no Morumbi. A ideia do treinador é ter o time ideal inteiro fisicamente para os desafios que vêm pela frente.

“Clássico é sempre muito difícil, jogos sempre muito complicados. E precisamos passar de fase em dois jogos na Copa do Brasil, com uma viagem relativamente longa a Natal. Os jogadores que descansei tendem a voltar contra o ABC. O Rodrigo eu segurei pelo cartão, para jogar contra o Palmeiras, e não sei como estará o Maicon”, explicou o técnico.

Questionado sobre outro clássico, diante do Corinthians, Rogério Ceni não crê que a Federação Paulista de Futebol acate o pedido do São Paulo e mude a data do Majestoso, marcado para 26 de março, no Morumbi, pela 11ª rodada do Paulista.

O Tricolor se sente prejudicado porque nesse dia os argentinos Lucas Pratto e Buffarini e o peruano Cueva estarão a serviço de suas respectivas seleções na disputa das Eliminatórias Sul-Americanas da Copa do Mundo de 2018. No último domingo, o presidente Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, disse que a FPF vai estudar uma nova data para o embate.

“É uma mudança racional. Pelo menos pedir, porque não acredito em mudanças. Uma pena maior para a gente, sem três jogadores importantes. O calendário já estava feito, não acredito complô ou algo assim. Temos que desenvolver nosso papel com o time que tivermos. É uma pena, no nosso único clássico em casa, não ter três jogadores importantes”, lamentou Ceni, criticando o calendário nacional.

“É um problema os clássicos estarem no meio da data Fifa. Não conseguimos corrigir isso em relação ao futebol europeu. Acho difícil que haja uma mudança, mas se a federação conseguir, será benéfico para os dois clubes”, finalizou.